quarta-feira, 20 de julho de 2016

Vinhos de um dos maiores importadores do Reino Unido agora no Brasil

A Berkmann Wine Cellars, um dos maiores importadores de vinhos do Reino Unido, está iniciando as atividades no Brasil. Fundada em 1964, a empresa recebeu, nos últimos quatro anos, o prêmio "Great Value Wine Merchant of the Year", que é concedido pelos profissionais do mercado inglês à companhia que comercializa os produtos de melhor relação qualidade/preço. Conheci alguns vinhos da importadora durante uma degustação promovida há alguns dias pelo Empório 4 Elementos, que acaba de fechar distribuição exclusiva da Berkmann no Recife.


Antes de falar sobre os vinhos provados, é interessante frisar que a importadora comercializa cerca de três mil rótulos de 20 países diferentes no Reino Unido. Aqui no Brasil, a marca está trabalhando com um portfólio de mais de 60 vinhos, todos inéditos no nosso mercado, de países como Espanha, França, Itália, Eslovênia, Alemanha, Estados Unidos, África do Sul e Austrália.


Dessa carta, o Empório 4 Elementos selecionou cerca de 20 rótulos para trabalhar inicialmente. Confira a seguir as minhas impressões sobre as amostras que mais se destacaram na degustação (os preços indicados são para consumidor final):

Nina Garganega Pinot Grigio 2014


Tipo: Branco.
Produtor: Nina.
Origem: Vêneto, Itália.
Características: Elaborado na região italiana do Vêneto com as uvas Garganega (60%) e Pinot Grigio (40%), este branco é uma opção refrescante, podendo ser degustado, inclusive, sem o acompanhamento de alimentos. Seu aroma traz notas de frutas brancas e maçã verde. Na boca, suas principais características são a leveza e o frescor. O sabor traz um leve toque floral.

Classificação: Bom.
Média de preço: R$ 65.

Viña Vasta Verdejo/Viura 2014


Tipo: Branco.
Produtor: Bodegas Isidro Milagro.
Origem: Castilla La Mancha, Espanha.
Características: De cor amarelo palha com traços esverdeados, este vinho exibe mais estrutura que a amostra anterior. Elaborado com as variedades Verdejo e Viura, possui caráter cítrico que se integra a notas de aspargos, tanto no sabor quanto no aroma. De corpo médio, tem boa acidez e persistência.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 64.

Vent du Sud Grenache Blanc/Viognier 2014


Tipo: Branco.
Produtor: Vent du Sud.
Origem: Languedoc-Rousillon, França.
Características: Elaborado com 80% de Grenache Blanc e 20% de Viognier, tem coloração amarelo palha com tons esverdeados. Exala notas florais e de frutas brancas, como melão. Sabor levemente adocicado, porém com acidez presente. Corpo leve.

Classificação: Bom.
Média de preço: R$ 97.

Niel Joubert Sauvignon Blanc 2015


Tipo: Branco.
Produtor: Niel Joubert.
Origem: Paarl, África do Sul.
Características: Este branco tem em sua composição 100% de uvas Sauvignon Blanc provenientes de vinhas com até 25 anos de idade. Tem cor amarelo palha brilhante. Já o aroma envolve características de maçã verde e carambola, junto com um toque floral. No paladar mostra bom frescor e persistência de média prolongada.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 78.

Villa Rossi Sangiovese Rubicone 2014


Tipo: Tinto.
Produtor: Villa Rossi.
Origem: Emilia-Romagna, Itália.
Características: Feito 100% com a variedade Sangiovese, é um tinto de cor rubi brilhante e pouco profunda. No agradável aroma predominas frutas vermelhas silvestres, como morango e framboesa, além de um toque de canela. No paladar, mostra-se um vinho fácil de beber, com corpo médio e bom equilíbrio entre taninos e acidez. Junto com as mesmas sensações do nariz, o sabor ainda traz notas de café. Não tem passagem por madeira.

Classificação: Bom.
Média de preço: R$ 68.

Vent du Sud Syrah/Grenache 2014


Tipo: Tinto.
Produtor: Vent du Sud.
Origem: Languedoc-Rousillon, França.
Características: Na sua composição entram as uvas Syrah (50%) e Grenache (50%). Não houve estágio em carvalho. Sua cor é rubi pouco profunda e no olfato aparecem notas de morango em compota e especiarias. É um vinho de paladar encorpado, mas com bom equilíbrio. O sabor confirma as impressões do nariz.

Classificação: Bom.
Média de preço: R$ 97.


Viña Vasta Tempranillo/Merlot/Syrah 2014


Tipo: Tinto.
Produtor: Viña Vasta.
Origem: Castilla La Mancha, Espanha.
Características: Coloração rubi pouco profunda com bordas granada. O aroma exprime uma boa complexidade, com traços de goiaba madura, especiarias, frutas vermelhas silvestres e mentol. O paladar é de médio corpo, seco e de bom equilíbrio. Além das sensações do nariz, seu sabor também envolve notas de café. É elaborado com as uvas Tempranillo, Merlot e Syrah.

Classificação: Bom/Muito Bom.
Média de preço: R$ 64.

Vignamato Rosso Piceno Marche DOP 2014


Tipo: Tinto.
Produtor: Vignamato.
Origem: Marche, Itália.
Características: Cor rubi de média profundidade. Aroma elegante que traz notas de alcaçuz, frutas maduras, especiarias e tabaco. Paladar saboroso e equilibrado, de médio corpo e final prolongado. Feito com 80% de uvas Montepulciano e 20% de Sangiovese, o vinho passou por afinamento de seis meses em garrafa.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 111.

Itynera Montepulciano d'Abruzzo 2013


Tipo: Tinto.
Produtor: Vignamato.
Origem: Abruzzo, Itália.
Características: Produzido 100% com uvas Montepulciano, é um tinto de coloração rubi com média profundidade. Notas florais, de frutas maduras, especiarias e café aparecem no aroma. Seu paladar, de médio corpo, é marcado pelas mesmas características do nariz. Final com persistência de média a prolongada. Sua maturação aconteceu em barris de carvalho francês e americano durante 12 meses.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 145.


Visconti della Roca Primitivo 2014


Tipo: Tinto.
Produtor: Visconti della Roca.
Origem: Puglia, Itália.
Características: Sua composição é de 100% de uvas Primitivo. Tem cor granada pouco profunda. O aroma exprime ameixa madura, café, especiarias e café. Possui corpo médio, taninos macios e retrogosto de médio a prolongado. Este vinho estagiou parcialmente em barris de carvalho.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 86.

Niel Joubert Merlot 2013


Tipo: Tinto.
Produtor: Niel Joubert.
Origem: Paarl, África do Sul.
Características: Expressivo tinto de cor granada pouco profunda. Seus aromas formam um conjunto de sensações tais quais frutas em compota, café, tabaco, terra e um toque tostado. Paladar encorpado, porém de taninos macios e boa acidez. Maturou seis meses em pequenos barris de carvalho.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 115.

EMPÓRIO 4 ELEMENTOS:
Av. Conselheiro Aguiar, 4635, Boa Viagem, Recife.
Fone: (81) 3034-3040

terça-feira, 19 de julho de 2016

Salton lança excelentes novidades

Participei ontem (18) à noite de mais uma edição do Winebar ao Vivo, iniciativa dos colegas Daniel Perches e Alexandre Frias, na qual um grupo de blogueiros de vinhos se reúne para degustar e comentar os mesmos rótulos, através de uma transmissão ao vivo, via Youtube. A ação de ontem foi com os novos vinhos da vinícola brasileira Salton. A transmissão aconteceu direto da Serra Gaúcha, onde o enólogo Gregório Bircke Salton mostrou boas novidades do portfólio da empresa.


Confira as minhas impressões sobre os vinhos provados:

Salton Classic Malbec 2015



A primeira novidade vem da Argentina. Isso mesmo, Argentina! Trata-se de uma colaboração entre enólogos brasileiros e argentinos do grupo Peñaflor, da qual faz parte a vinícola Trapiche. A produção do vinho é toda feita em Mendoza, onde ocorre, inclusive, o engarrafamento.

Na taça, o vinho mostrou cor violeta de média profundidade. O aroma traz notas de cereja, framboesa, flores secas e especiarias doces, como canela. Paladar de médio corpo, com bom equilíbrio entre taninos e acidez. Seus taninos são macios e o final é frutado, de boa persistência.

Trata-se de um vinho jovem, leve, bem feito e agradável, mais delicado do que normalmente são os Mabec argentinos. Elaborado exclusivamente com uvas Malbec da sub-região de Maipu, o vinho não estagiou em madeira. Tem 13% de álcool.

Classificação: Muito Bom (Bom Compra).
Média de preço: R$ 20 (Loja Virtual da Salton)


Salton Paradoxo Paradoxo Cabernet Sauvignon 2012



Este 100% Cabernet Sauvignon faz parte da linha Paradoxo, concebida para ser comercializada em restaurantes. Porém, os vinhos também podem ser adquiridos no site da vinícola.

É elaborado no privilegiado terroir da Campanha Gaúcha e maturou durante seis meses em carvalho norte-americano. É um vinho de coloração rubi brilhante e pouco profundo, com aromas que trazem uma “pegada” da região onde nasceu. Exibe aromas de jambo maduro, ameixa, canela, café e um leve toque animal, expressado pelo cheiro de couro. Na boca exibe taninos doces e sedosos e um final prolongado. De médio a encorpado, o sabor confirma as impressões do nariz. Sua graduação alcoólica é de 13,5%.

Classificação: Excelente (Boa Compra)
Média de preço: R$ 30 (Loja Virtual da Salton)

Salton Intenso Licoroso Chardonnay


Vinho de sobremesa que segue o mesmo método de amadurecimento utilizado para a elaboração do Jerez, na Espanha, chamado de soleira. Após estagiar um ano em barris de carvalho, metade do volume é retirado das barricas e elas são completadas com o mosto do vinho mais novo. No caso do Intenso, cerca de sete a oito safras estão presentes na soleira.

Elaborado com uvas Chardonnay, tem uma bela coloração amarelo dourado. O aroma é marcado por deliciosas notas de amêndoas, avelãs, nozes e mel. Paladar untuoso, com acidez presente e boa doçura. Longa persistência.  O sabor traz de volta as características do olfato. Tem 15,% de álcool. Vai bem tanto acompanhando queijos azuis, como gorgonzola e roquefort, além de sobremesas não muito doces, de preferência que levem frutas secas. Também é um ótimo aperitivo.

Classificação: Excelente
Média de preço: R$ 65 (Loja Virtual da Salton)

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Fattoria dei Barbi: fórmula de sucesso da Toscana para o mundo

Estive há alguns dias em um almoço com a gerente de exportação da vinícola italiana Fattoria dei Barbi, Raffaella Federzoni, promovido no Recife pela importadora Interfood. O encontro aconteceu no restaurante Wiella Bistrô, com degustação de alguns importantes rótulos da marca.


A Fattoria dei Barbi pertence à família Colombini, que possui vinhedos na região de Montalcino, Toscana, desde 1352. Em 1790, passou a dirigir a Fattoria Dei Barbi. A "Fattoria" (fazenda em italiano) produz 800 mil garrafas por ano, dos quais 200 mil são de Brunello di Montalcino, o seu vinho mais emblemático

A filosofia de Stefano Cineli Colombini, atualmente à frente da vinícola, é integrar as tecnologias mais recentes às técnicas tradicionais de produção. Para Raffaella, existe uma série de motivos para Fattoria dei Barbi estar constantemente presente no topo das listas de vinhos na Itália e no mundo. Segundo ela, o nome “Barbi” é fácil de associar em qualquer língua. Outras razões são a qualidade dos vinhos, o preço competitivo, a história e tradição, e, por fim, a constância na produção.

Confira a avaliação dos vinhos provados:

Brusco dei Barbi IGT 2012


Vinho de entrada da marca, não passa por madeira e tem na sua composição 90% da variedade Sangiovese e 10% de Merlot. Na taça, apresentou coloração rubi clara e brilhante. No nariz aparecem notas de morango, groselha, especiarias, mentol e um exótico toque de caju. Paladar de médio corpo, boa acidez e final de média persistência. Um tinto equilibrado que, segundo Raffaella, vai bem com pizzas e entradas.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 116

Barbi Morellino di Scansano DOCG 2013 


Este tinto é elaborado principalmente com uvas Sangiovese e com uma pequena parte de Merlot (15%). Sua cor apresenta-se rubi límpido e brilhante. Os aromas trazem características de caramelo, especiarias, frutas maduras e leve toque de fumo. Possui médio corpo, acidez marcante e final de média persistência.  O sabor traz de voltas as frutas sentidas no nariz. Seu amadurecimento foi de quatro meses em barris de carvalho esloveno.

Classificação: Bom/Muito Bom.
Média de preço: R$ 176

Barbi Rosso di Montalcino DOC 2013


Este “pequeno Brunello” é elaborado com 100% de Sangiovese, passando por maturação de cerca de seis meses em carvalho esloveno. Cereja, morango, notas terrosas, de menta e toques balsâmicos aparecem no olfato. Na boca percebe-se um corpo de peso médio, bom equilíbrio entra acidez e taninos e final de persistência média a prolongada. O sabor dá ênfase ao frutado.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 197

Barbi Brunello di Montalcino DOCG Riserva 2005


O vinho ‘top’ da Fattoria dei Barbi é feito com 100% de Sangiovese Grosso e tem maturação de três anos em carvalho e seis meses de envelhecimento em garrafa. Sua coloração mostrou-se rubi de média profundidade com tons granada. O aroma dá sinais de evolução com suas notas de fósforo, alcaçuz, floral, frutas vermelhas, tabaco, caju (assim como no Brusco), mentol e café. Paladar de médio corpo, equilibrado e de final de médio a prolongado. Um vinho de boa complexidade, que acompanha majestosamente pratos de carne vermelha e de caça.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 820.

*Confira também a avaliação do Barbi Brunello di Montalcino “BlueLabel”, feita em outra ocasião aqui no blog.

SERVIÇO:

Os vinhos Fattoria dei Barbi são importados pela Interfood e comercializados pelo site www.todovino.com.br. No Recife, estão à venda em lojas como RM Express e DOC Distribuidora.

sábado, 9 de julho de 2016

Gik: Um oceano azul no mercado de vinhos


Uma nova marca de vinhos vem causando frisson na Europa. Ele é produzido na Espanha com uvas tintas e brancas de diferentes vinhedos da Espanha e França, provenientes das regiões de La Rioja, Zaragoza, León e Castilla-la Mancha. E o diferencial? Ele é azul! Apesar de não possuir denominação de origem, ele é vegano, não leva açúcar em sua formulação e seu teor alcoólico é de 11,5%.


Bastante refrescante o novo rótulo da empresa Gik Live desperta a atenção pela cor, que é resultado da mistura de dois pigmentos orgânicos, o índigo e a antocianina. Segundo os seus criadores, ele foi pensando após a leitura do livro “A estratégia do oceano azul”, de W. Chan Kim e Renée Mauborgne, que sugere que a criação de novos espaços é o oceano azul, e uma separação da concorrência é o oceano vermelho. No oceano azul, sem concorrência, os pequenos peixes podem nadar livremente.  Ou seja, o oceano azul foi a inspiração para a cor inusitada, e além do mais é inovador, divertido e jovem.


Levando cerca de dois anos para ser lançado, o Gik contou com a parceria da University of the Basque Country and Food Tech para ser desenvolvido. Ele é levemente adocicado e não concorre com os tradicionais rótulos europeus, mas segue todas as normas de qualidade da União Europeia. O vinho ainda não tem previsão para chegar ao Brasil, mas por lá, custa o equivalente a aproximadamente R$ 36,00. Por enquanto pode ser adquirido no site: https://gik.blue/en

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Quer combinar pizza e vinho? Então achou o guia certo!

Já escrevi algumas vezes sobre o assunto por aqui. Mas não poderia deixar de falar mais uma vez, já que no próximo domingo (10) é comemorado o Dia Internacional da Pizza (oba!). Difícil não gostar do prato, concorda? Se além de pizza, você também é um apreciador de vinhos, aconselho acomodar-se melhor na cadeira ou sofá e ler com atenção as sugestões a seguir, já começando a planejar a comemoração da data.


Antes de começar o guia, acho bacana falar um pouco sobre a origem da pizza. Você sabe onde a receita nasceu? Se respondeu “na Itália” você está... enganado!

Embora muitos acreditem que a origem da receita da pizza seja italiana, é comprovado que ela já era feita por muitos povos antigos. Há cerca de cinco mil anos, os babilônios, hebreus e egípcios usavam fornos rústicos para assar uma massa de trigo e amido, precursora da nossa receita atual.

Com a difusão da pizza pelos italianos, que adotaram a massa como um dos principais símbolos de sua gastronomia, o prato se tornou um dos mais queridos e populares do planeta. Na modernidade, os hábitos de consumo da pizza mudaram e a receita foi sendo adaptada. A massa ganhou coberturas com ingredientes diversos, tendo o queijo e o molho de tomate como a sua principal base.

Por ser um prato simples e fácil de comer (os americanos, por exemplo, costumam comer com as mãos), a pizza também passou a ser acompanhada por bebidas mais simples, sinônimo de fast food, como os refrigerantes. Porém, (eu garanto!) existe uma combinação perfeita para os mais diversos tipos de pizza. Trata-se de uma bebida igualmente milenar. Adivinha qual é? Isso mesmo, o vinho!

Se você nunca provou combiná-los, sugiro fazer um teste. No texto a seguir darei algumas orientações de como é fácil harmonizar esses dois elementos, o que pode resultar num casamento simples e saboroso.

Como sou fã de pizza (confesso que não como tanto quanto desejaria, pois é uma pena que ela engorda que é uma beleza), vez por outra faço testes para conseguir o máximo de prazer harmonizando uma fatia de pizza acompanhada de uma taça de vinho. E cheguei à conclusão de que existem algumas fórmulas que normalmente dão certo.

No geral, os vinhos tintos italianos possuem características marcantes que permitem o acompanhamento da pizza em suas diferentes versões. Esses vinhos têm normalmente uma boa acidez e são leves. Porém, não é preciso ficar preso somente aos italianos. A grande dica é a seguinte: prefira os vinhos simples e jovens, que são descomplicados como a pizza. Não vale a pena abrir um vinho mais caro ou de guarda para acompanhar o prato.

Confira minhas sugestões de harmonização:

MARGHERITA
Por ser mais leve, com ingredientes simples, como mozzarella, tomate e manjericão, esta pizza combina com um tinto fresco e frutado, como um Chianti, ou ainda acompanhada de tintos jovens do Novo Mundo.

CALABRESA
Para acompanhar o seu sabor forte e picante, o indicado é um tinto mais estruturado, de taninos firmes, porém com boa acidez. Toques de especiarias na bebida combinam bem com a pizza.

ROMANA
Por causa do alici (espécie de peixe) presente em sua receita, esta massa pede um branco com boa acidez, levemente encorpado.

NAPOLITANA
Para esta receita tradicional, que leva mozzarella, anchovas e azeitonas, vai um tinto descomplicado, com taninos leves e boa acidez. A pedida pode ser um Malbec mais simples ou um vinho regional alentejano.

QUATRO QUEIJOS
Experimente um branco com boa acidez para encarar a gordura dos queijos, de preferência um Chardonnay do Novo Mundo.

FRANGO COM CATUPIRY
Pede um tinto da uva Merlot, que combina com o frango e tem equilíbrio para acompanhar o queijo. Tintos jovens feitos com a uva Tempranillo também dão conta do recado, como também os franceses Côtes du Rhône.

MOZZARELLA
Para uma pizza simples, um tinto jovem e igualmente simples, com pouca ou nenhuma passagem por madeira.

CAMARÃO
Pela presença do fruto do mar e ainda da gordura do queijo, que normalmente é o catupiry, aconselha-se um branco com boa acidez, um rosé de médio corpo ou ainda um tinto leve, também com acidez bem presente.

Uma fatia e um brinde!

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Casa dos Fontes faz lançamento de seus Vinhos Verdes

Estive há alguns dias no evento de lançamento dos rótulos Casa dos Fontes no Recife. O evento aconteceu no restaurante Hotspot, capitaneado pelo chef Armando Pugliesi, que elaborou um menu encantador para acompanhar a degustação. A cidade foi a segunda do Brasil, após o Rio de Janeiro, a conhecer as novidades da vinícola, que fica localizada na área de Denominação de Origem Controlada (DOC) Vinhos Verdes, na região do Minho, norte de Portugal.

O responsável por introduzir a marca no país é o carioca Cesar Fontes, membro da quarta geração de uma família de produtores portugueses. A Casa dos Fontes é um empreendimento jovem. Sua primeira safra comercial é da colheita 2014. No portfólio estão apenas quatro vinhos: um branco da casta Azal e outro feito apenas com Alvarinho, um rosé e um tinto. Destes, apenas o Alvarinho ainda não está sendo comercializado no país.

A vinícola possui três hectares de vinhas. No processo de produção são utilizadas técnicas e equipamentos modernos, além de uma seleção de uvas feita de forma manual.


Os vinhos da Casa dos Fontes têm características de leveza e frescor. O Branco (2014) é elaborado exclusivamente com a casta Azal e possui aroma discreto, com leves toques cítricos e de frutas brancas. Em boca demonstra boa acidez e caráter refrescante.


Já o Rosé (2014) foi para mim a melhor surpresa entre as amostras. Na taça exibe uma bonita coloração cereja. O aroma é delicado, com notas de frutas vermelhas silvestres. Também possui leveza e frescor no paladar. Foi elaborado com castas tintas de Vinhas Velhas.


O Alvarinho (2015), que nos foi apresentando ainda sem rotulagem. Um bom vinho, com notas de pêssego e algo que lembra a mistura de goiabada com creme de leite. Diferente dos anteriores, tem mais corpo e uma certa untuosidade. Também demostra boa acidez e persistência no paladar.


Por fim, o Tinto (2014), que mostrou boa tipicidade dos tintos elaborados na região (particularmente, não fazem a minha praia. São conhecidos pelo estilo “ame-os ou deixe-os”. Ou seja: há também quem os curta). Bastante seco, com aromas que lembram notas animais, folhas secas e frutas negras, foi feito com a variedade Vinhão. É um vinho próprio para ser acompanhado de comida, principalmente com carnes vermelhas.

Os vinhos da Casa dos Fontes custam, em média, entre R$ 60 a R$ 70. Mais informações: www.casadosfontes.com

terça-feira, 5 de julho de 2016

Orme Primitivo 2013 (#CBE)

O mês começa e a tradição de escrever para a Confraria Brasileira de Enoblogs (CBE) é mantida. O tema de julho, bem oportuno, diga-se de passagem, foi indicado pelo confrade Luiz Cola (Blog Vinhos e Mais Vinhos), que sugeriu um tinto encorpado de inverno, com valor de até R$ 100. A minha escolha veio lá da Puglia, sul da Itália (região conhecida como o "salto da bota", numa referência ao formato do mapa daquele país, que se assemelha a uma bota). Portanto, um vinho de uma uva que costuma produzir produz tintos intensos e concentrados. Confira:


Tipo: Tinto.
Produtor: Massimo Leone.
Origem: Puglia, Itália.
Visual: Cor rubi de média profundidade.
Olfato: Exibe agradáveis notas de canela, frutas vermelhas maduras, como morango, além de um toque de pimenta do reino.
Paladar: Um vinho de médio corpo, com taninos macios e excelente acidez. Sua persistência é de média a prolongada e o sabor reflete as características do olfato, trazendo ainda notas de café.
Outras considerações: Um tinto intenso, porém equilibrado, elaborado com uma das principais uvas tintas do sul da Itália, a Primitivo. Tem 14% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 80 a R$ 90 (Trazido ao Brasil pela Importadora Trinacria)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Wine.com.br caminha para ser a maior importadora de vinhos do Brasil tendo Abilio Diniz como novo acionista


Um ranking recém-divulgado pelo Ministério da Fazenda mostrou que a Wine.com.br, maior operação de e-commerce de vinhos da América Latina, conquistou o posto de terceira maior importadora de vinhos do país. Única do segmento online na lista, a empresa tem tudo para se encaminhar para a primeira posição, já que acaba de celebrar contrato para a admissão da Península Participações, empresa de investimentos da família Abilio Diniz, como seu novo acionista, por meio de aporte de capital.

Os dois atuais primeiro lugares da lista de maiores importadoras atualmente são a VCT Brasil (Grupo Concha y Toro) e o Grupo Pão de Açúcar.

De acordo com Rogerio Salume, CEO da Wine.com.br, desde o início a empresa buscou as melhores parcerias para oferecer aos clientes vinhos de qualidade com um preço justo. “Nossos Winehunters, além de apaixonados por vinhos e experts no gosto brasileiro, são ótimos negociadores” observa.

Em 2015, a Wine.com.br comercializou mais de 7 milhões e 300 mil garrafas de vinho para mais de 300 mil clientes. Segundo a empresa, o mercado tem potencial de crescimento, visto que o consumo de vinhos no Brasil ainda é muito inferior ao de outros países.

:: NOVO ACIONISTA ::

Com a união de esforços da e.Bricks (empresa de investimento no setor digital do Grupo RBS) e da Península, a atuação da Wine.com.br e da Wbeer.com.br no mercado nacional deverá ser ampliada. A iniciativa também tem o objetivo de acelerar a internacionalização de suas operações.


Nessa nova configuração, Rogério Salume (foto acima) segue como sócio e CEO da companhia e Fernando Opitz, primeiro investidor do projeto, permanece na sociedade.

“A Wine.com.br é uma empresa inovadora que está ampliando o mercado de vinhos no país, do consumidor final ao B2B. Esse novo investimento faz parte da estratégia de diversificação do portfólio da Península e esperamos contribuir com nossa experiência em gestão e no setor de varejo”, disse Abilio Diniz, presidente do Conselho de Administração da Península.

Eduardo Sirotsky Melzer, presidente do Conselho da e.Bricks Digital e do Grupo RBS, diz que a chegada da Península reforça ainda mais o entusiasmo na empresa. “A excelência de Abilio e seu time no varejo e na gestão aliada à expertise tecnológica da Wine.com.br e da e.Bricks serão fundamentais para a execução do plano de crescimento e expansão internacional da companhia”, afirmou.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Os melhores do Vinho & Sabores de Portugal


Centenas de pessoas, entre profissionais da área e apreciadores, passaram pelo Mercure Recife Mar Hotel Conventions, nos últimos dias 17 e 18, durante a 4ª edição do evento Vinho & Sabores de Portugal. Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer rótulos que ainda não são comercializados no Brasil, e ainda exemplares de marcas já reconhecidas internacionalmente. Mais de 30 expositores estiveram presentes, representando as regiões do Douro, Alentejo, Minho, Dão, Bairrada, Setúbal, Beira Interior e Lisboa.

Além de poder provar os produtos, o público teve a oportunidade de aprender mais sobre vinhos durante palestras e apresentações de culinária.


Apesar de estar no apoio ao evento, pude conversar com vários dos produtores e ainda provar alguns vinhos (impossível degustar todos). Nessas incursões, descobri muita coisa diferente e tive também ótimas surpresas.

Confira a seleção dos melhores experimentados:

'TOPS' DO EVENTO:

Branco:


Manz Dona Fátima Jampal 2014 | Lisboa

Rosé:


Montes de Lá Rosé | Alentejo

Espumante:


Messala Alvarinho | Minho

Tintos (Top 10):


1. Fonte Mouro Alicante Bouschet Grande Reserva 2013 | Alentejo
2. Montes de Lá Grande Reserva 2011 | Alentejo
3. Manz Pomar do Espírito Santo Reserva 2013 | Lisboa
4. Fonte Mouro Reserva 2012 | Alentejo
5. Cabriz 25 Anos | Dão
6. Três Autores Grande Reserva 2011 | Lisboa
7. Aliança Baga 2009 | Bairrada
8. T Quinta da Terrugem 2011 | Alentejo
9. Esporão Reserva 2012 | Alentejo
10. Manz Contador de Estórias 2009 | Lisboa

Fortificado:


Carcavelos Villa Oeiras | Lisboa

OUTROS DESTAQUES:

Brancos:

Cabriz Reserva 2014 | Dão
Casas Altas Riesling 2013 | Beira Interior
Castelo Rodrigo Síria | Beira Interior
Entre Serras Almeida Garrett | Beira Interior
Entre Serras Chardonnay Almeida Garrett | Beira Interior
Grilos 2015 | Dão
Messala Alvarinho | Minho
Messala Alvarinho Trajadura | Minho
Mito Escolha Vinho Verde 2014 | Minho
Montes de Lá | Alentejo
Mundus Escolha 2014 | Lisboa
Norte Vinho Verde | Minho
Quinta da Bacalhôa 2012 | Setúbal
Quinta dos Termos Reserva | Beira Interior
Quinta Vale do Ruivo 2013 | Beira Interior

Rosé:

Maria Saudade | Minho

Espumantes:

Almeida Garrett Super Reserva | Beira Interior
Raposeira Branco | Távora –Varosa
Raposeira Rosé | Távora –Varosa

Tintos:

Cabriz Reserva 2012 | Dão
Castelo Rodrigo Touriga Nacional | Beira Interior
Grand’Arte Touriga Nacional 2012 | Lisboa
JP Private Selection 2011 | Setúbal
Montes de Lá Reserva 2012 | Alentejo
Paço dos Cunhas de Santar Nature 2012 | Dão
Pedra Cancela Selecção do Enólogo | Dão
Quinta da Bacalhôa Tinto 2011 | Setúbal
Quinta da Garrida Reserva 2012 | Dão
Quinta da Terrugem 2013 | Alentejo
Quinta dos Quatro Ventos 2013 | Douro
Reserva dos Amigos 2014 | Lisboa
Reserva dos Amigos Edição Especial 2013 | Lisboa
Vadio 2011 | Bairrada
Varzea do Minho Touriga Nacional Reserva  2011 | Minho

Fortificados:

Bacalhôa Moscatel de Setúbal Roxo 2002 | Setúbal
Bacalhôa Moscatel de Setúbal 2009 | Setúbal

terça-feira, 14 de junho de 2016

Concha y Toro Gran Reserva Serie Riberas Carmenère 2012

Quem disse que a Concha y Toro não faz vinhos top? A Serie Riberas faz parte da coleção 'Fine Wine' da gigante chilena, na qual estão inseridos os rótulos Don Melchor, Carmín de Peumo, Amelia, Terrunyo e Marqués de Casa Concha, entre outros.  Ele não está entre os ícones da vinícola, mas é um vinho de qualidade diferenciada. Segue avaliação do Carmenère desta linha.


Tipo: Tinto.
Produtor: Concha y Toro.
Origem: Peumo (Vale de Cachapoal), Chile.
Visual: Cor violeta profunda.
Olfato: Pronunciado, traz sabores de alcaçuz, melaço, frutas negras e especiarias.
Paladar: Encorpado, de taninos doces e persistência de média a longa. O sabor reflete as sensações do nariz e ainda mostra notas tostadas e de chocolate.
Outras considerações: Elaborado com uvas Carmenère (90%) e Cabernet Sauvignon (10%), este vinho estagiou 14 meses em barricas de carvalho francês e americano. Tem 14,5% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 90 a 100.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Vinho & Sabores de Portugal no Recife tem ingressos promocionais até próximo dia 16


O público interessado em participar da feira Vinho & Sabores de Portugal, que acontecerá no Mercure Recife Mar Hotel Conventions, nos próximos dias 17 e 18, pode adquirir ingressos para o evento com preço promocional até o próximo dia 16. As entradas estão sendo comercializadas ao preço de R$ 40, no site Ingresso Rápido e na Livraria Jaqueira. A feira reunirá mais de 40 produtores portugueses que apresentarão seus produtos ao público, incluindo cerca de 250 rótulos de vinhos de diferentes regiões daquele país, além de azeites e outros produtos gastronômicos, com livre degustação. Também haverá venda de mercadorias.

SERVIÇO:
Vinho & Sabores de Portugal
Quando: 17 e 18 de junho de 2016
Horário: Das 14h às 22h
Onde: Mercure Recife Mar Hotel Conventions (antigo Mar Hotel), Boa Viagem, Recife-PE.
Mais informações e programação: www.vinhoesabores.com.br
Ingressos: www.ingressorapido.com.br | Livraria Jaqueira (Rua Antenor Navarro, 138, Jaqueira)

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Errazuriz Max Reserva Chardonnay 2013


Tipo: Branco.
Produtor: Errazuriz
Origem: Aconcagua Costa, Chile.
Visual: Cor amarelo palha com reflexos dourados.
Olfato: Delicado e agradável. Combina notas de frutas tropicais, como tangerina e abacaxi, além de um discreto toque de coco e baunilha.
Paladar: Untuoso, envolvente e final prolongado. Possui boa acidez e mostra, de maneira elegante, o efeito da madeira onde estagiou, com um leve tostado. O sabor relembra as sensações no nariz.
Outras considerações: Elaborado 100% com uvas Chardonnay, o vinho maturou dez meses em barricas de carvalho francês, sendo 15% delas novas. Tem 13,5% de álcool.

Classificação: Excelente/Excepcional.
Média de preço: Comprado nos EUA por 15 dólares. No Brasil, R$ 150 [Importadora Vinci].

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Narké dei Poeti Sicilia IGT 2010

A palavra "Narké" é de origem árabe e tem a ver com a sensação de torpor causada pelo haxixe ou outro fumo entorpecente, consumido em narguilés (espécie de cachimbo de água). Narké dei Poeti diz respeito ao estado em que os antigos poetas ficavam para buscar inspiração ao usar desse artifício, fazendo uma analogia ao vinho, que também tem o poder de relaxar e aguçar as ideias.


Tipo: Tinto.
Produtor: Alcesti.
Origem: Sicilia, Itália.
Visual: Cor rubi de média profundidade com tons granada.
Olfato: Demonstra elegância com suas notas de alcaçuz, baunilha, frutas em compota, especiarias e caixa de charuto.
Paladar: Corpo médio, bom equilíbrio entre taninos e acidez, final de médio a prolongado.
Outras considerações: Elaborado com uvas Nero d’Avola e Cabernet Sauvignon, este vinho maturou em barris e tonéis de carvalho durante um ano. Depois envelheceu mais seis meses em garrafa antes de sair para o mercado.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 120 (Importadora Trinacria)

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Bom, Bonito e Barato: La Playa Cabernet Sauvignon 2013


Tipo: Tinto.
Produtor: La Playa.
Origem: Vale de Colchagua, Chile.
Visual: Cor rubi de média profundidade.
Olfato: Envolvente, traz notas florais, de especiarias e de frutas vermelhas.
Paladar: Médio corpo, taninos macios, final de média persistência. O sabor confirma o frutado do nariz, junto com um toque de pimenta do reino. Fácil e agradável de tomar.
Outras considerações: Elaborado com 85% de uvas Cabernet Sauvignon e 15% de Cabernet Franc, o vinho maturou dez meses em aço inoxidável e mais dois meses em carvalho. Tem 13,5% de álcool. Uma boa opção para quem está começando no mundo dos vinhos.

Classificação: Boa compra.
Média de preço: R$ 35 (Importado Grupo Famiglia Zanlorenzi. No Recife, é distribuído pela Prolac)

terça-feira, 31 de maio de 2016

Wine.com.br lança serviço de vendas e atendimento exclusivo para eventos

A Wine.com.br, terceiro maior e-commerce de vinhos do mundo, acaba de lançar o Wine Eventos, um serviço inédito para atender o mercado de eventos, como casamentos, formaturas e confraternizações, entre outros. Através de uma área exclusiva no site, o cliente pode escolher os rótulos que quer servir na sua comemoração ou reunião, aproveitando as dicas de serviço e harmonização com uma equipe especializada.


“O Wine Eventos foi pensado para atender cada cliente de forma customizada e para isso colocamos à disposição todo nosso know-how para que esse momento de comemoração seja ainda mais especial”, afirma Luis Martini, diretor de marketing da Wine.com.br.

Antes de lançar o serviço, a equipe da Wine.com.br fez o levantamento dos rótulos mais indicados para celebrações e montou uma seleção especial. Sócios do ClubeW (clube de assinaturas da empresa) têm mais 15% de desconto nas compras.

Após a escolha dos rótulos, o cliente preenche um formulário e solicita o orçamento. A equipe de especialistas entra em contato para passar informações sobre descontos e condições de pagamento. O cliente também recebe orientações em relação à sua compra, através de uma consultoria que vai desde dicas de harmonização a taças ideais para cada tipo de bebida e temperatura do serviço.

A seleção de rótulos é composta basicamente de espumantes de diferentes nacionalidades, mas também contempla dois tintos, um branco e uma vodka.

Confira mais no site: www.wine.com.br/eventos.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Um pouco mais sobre a uva Malbec

Já escrevi sobre esse assunto por aqui. Mas sempre é bom refrescar as ideias, já que o consumidor brasileiro é apaixonado pela uva Malbec. Pois bem. Todos sabem da velha rixa entre brasileiros e argentinos, principalmente no futebol, com a velha indagação sobre quem foi o melhor: Pelé ou Maradona? 


Os brasileiros defendem a supremacia de Pelé com unhas e dentes, mas parecem concordar que quem manda nos gramados atualmente é o baixinho argentino Messi. E nas prateleiras também tem um craque que já há algum tempo conquistou as taças brasileiras. Trata-se do vinho argentino produzido com a uva Malbec.

Antes de falar sobre o vinho, é interessante saber mais sobre a história dessa uva tinta. Trazida da França em meados do século XIX, a variedade se adaptou muito bem a todas as regiões vitivinícolas argentinas e começou a ser cultivada de maneira intensiva, ganhando o posto da cepa mais conhecida e cultivada naquele país, ocupando 31.047,4 hectares de vinhas.

Uma curiosidade: ainda hoje, a Malbec é a principal variedade da região francesa de Cahors, sendo também cultivada em Bordeaux. Além disso, vem sendo plantada com sucesso no Chile e no Brasil, onde já vem dando origem a vinhos bem interessantes, tanto varietais (mais de uma uva) quanto em cortes (mais de uma uva).

Atualmente, existem na Argentina muitas variantes de elaboração para a Malbec, desde vinhos jovens e simples até encorpados e contundentes, com longa guarda em barricas, passando pelos rosés, espumantes e licorosos.

Em todos os casos, os seus aromas primários se destacam pelas notas de ameixas maduras e às vezes menta. Rico em cor, o vinho tem capacidade de “encher” o paladar sem agressividade, graças aos seus taninos doces e redondos.

Em algumas viagens à Argentina, pude comprovar que a variedade se dá bem em todos os cantos do país, desde o Norte, na região de Salta, onde produz vinhos bem frescos, até na região da Patagônia, ao sul do mapa, de onde estão saindo vinhos surpreendentes. Isso sem falar na tradicional região de Mendoza, onde os Malbecs simplesmente dominam.

À mesa, o Malbec é um belo vinho para acompanhar churrascos bovinos, guisados, massas com molhos de tomate e queijo, carnes de caça e queijos duros.

É notório que a Malbec é a uva símbolo da Argentina. Mas não posso ser injusta e deixar de citar algumas variedades que produzem ótimos vinhos em terras vizinhas. Uma delas é a uva Torrontés, que origina brancos ricos em aromas e com boa acidez. Também se destacam as variedades brancas Chardonnay, Sauvignon Blanc, Chenin, Semillón e Viognier. Entre as tintas, Bonarda, Cabernet Sauvignon, Syrah, Pinot Noir e Merlot.

Então, deixemos as rixas de lado e provemos. Com moderação, é claro!

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Bom, Bonito e Barato: Reguengos DOC 2014


Tipo: Tinto.
Produtor: Carmim.
Origem: Alentejo, Portugal.
Visual: Cor rubi brilhante.
Olfato: Predominam notas de frutas vermelhas maduras e um leve toque de especiarias.
Paladar: Médio corpo, taninos macios e sabor frutado, recordando as sensações do olfato.
Outras considerações: Um vinho simples, porém agradável e de preço justo. Uma boa opção para acompanhar as refeições do dia a dia. Elaborado com as variedades Aragonês (40%), Trincadeira (40%) e Castelão (20%), tem 14,5% de álcool. Não passou por barricas de carvalho.

Classificação: Boa compra.
Média de preço: R$ 35 (Importado pela Porto a Porto. No Recife, é distribuído pela Veloz Distribuição)

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Meteorito Cabernet Sauvignon 2011

Ian Hutcheon, inglês que vive no Chile, mais exatamente no Vale do Cachapoal, divide-se hoje entre duas atividades que são suas paixões: os vinhos e a astronomia.

Ele resolveu ir além das técnicas biodinâmicas (baseadas nos ciclos lunares e na natureza) quando incluiu no processo de elaboração do seu vinho  um elemento que veio direto do espaço. Trata-se de um meteorito de um pouco mais de sete centímetros de diâmetro que caiu há cerca de seis mil anos no deserto do Atacama, no Chile. A idade estimada do material é de 4,5 bilhões de anos.


Durante 12 meses, o meteorito permanece em contato com o vinho dentro de uma barrica de carvalho. Ele é colocado junto à bebida a partir da etapa da fermentação malolática. O rótulo é produzido unicamente com uvas Cabernet Sauvignon.

“Quando você toma este vinho, está bebendo elementos da idade do sistema solar", é o que diz Ian Hutcheon sobre sua criação, que foi realizada em parceria com a Viña Tremonte e o Centro Astronômico de Tagua Tagua.

Provei o Meteorito há alguns dias. Isentando o marketing em torno do rótulo, posso afirmar que se trata de um ótimo vinho. E junto com a história, confesso que ele fica ainda mais interessante.

Confira a avaliação:


Tipo: Tinto.
Produtor: Tremonte Boutique Vineyard.
Origem: Vale de Cachapoal, Chile.
Visual: Cor rubi de média profundidade.
Olfato: Envolve uma boa combinação de notas de ameixa, cânfora, especiarias, alcaçuz, tostado e fumo.
Paladar: Corpo médio, taninos macios, persistência de média a prolongada. O sabor ressalta as notas tostadas, de tabaco e baunilha, junto com um toque de café.
Outras considerações: Elaborado 100% com uvas Cabernet Sauvignon, o vinho maturou durante um ano em barril de carvalho. Tem 14,5% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Média de preço: R$ 70 a R$ 80 [No Recife, na Casa dos Frios]