sexta-feira, 3 de julho de 2015

François Lurton e Michel Rolland falam sobre vinhos

Entrevista publicada ontem (02/07/15) no jornal espanhol El Mundo.


François Lurton e Michel Rolland, enólogos e viticultores de reconhecido prestigio, estiveram há alguns dias em Madri para apresentar suas novsa criações. Trata-se dos dois primeiros Verdejos de sua vinícola Burdigala. Campo Elíseo (23 euros) e Campo Alegre (12,5 euros) são dois brancos delicados e ricos da região de Rueda que completam o bom trabalho com seus tintos de Toro. Nós conversamos com eles sobre os seus gostos e as suas mais recentes descobertas.

Como se identifica um bom vinho?

François: Um bom vinho é aquele que você gosta e o primeiro da mesa que termina. Deve haver um bom equilíbrio entre os taninos, álcool e acidez.
Michel: Aquele que você gosta. Depende muito do gosto pessoal. A pergunta mais correta seria “qual é um vinho ruim”.

Um vinho barato que valha apena...

F: Hermanos Lurton, Rueda.
M: Eu não posso dizer um em particular, nos últimos anos a evolução dos vinhos tem sido muito boa.

Um vinho da moda...
F: No mundo, a uva Malbec da Argentina, e na Espanha, a uva Verdejo.
M: A Sauvignon Blanc da Nova Zelândia já há uns 20 anos. Por causa do filme Sideways, a Pinot Noir virou moda.

Sua última descoberta...

F: Um vinho da Borgonha que degustei semana passada na Lapônia.
M: Malbec na Argentina está experimentando um grande desenvolvimento na exportação.

Um país que esteja despontando em matéria de vinhos...

F: Argentina
M: Argentina

Um vinho para brindar...

F: Champagne Dom Pérignon
M: Champagne Salon

Um branco irresistível...

F: Borgonha Montrachet
M: Borgonha Chardonnay Montrachet

Um tinto especial...

F: Chateau Margaux
M: Merlot Pomerol

O rosé combina com...

F: Combina com tudo.
M: Com tudo. É o vinho mais fácil.

Que importância vocês dão à 'estética' (rótulos ideais, criativos...) do vinho?

F: Cada região tem seu estilo. É importante que se identifique a região de onde o vinho procede.
M: O mais importante é o primeiro que se vê.

O que aprenderam do vinho na Espanha?

F: Novas variedades, Verdejo, Tempranillo y Toro.
M: Cheguei em 1977 à Rioja e descobri que se utilizavam barricas muito velhas e isso estragava muito o vinho.

Domaine Chante Alouette Cormeil Saint Emilion Grand Cru 2001


Tipo: Tinto.
Produtor: Château Gueyrosse.
Origem: Bordeaux, França.
Visual: Cor rubi com traços granada, de média intensidade. Presença de depósitos provenientes da não filtração do vinho.
Olfato: Boa gama de aromas que vai apurando a partir da aeração. Pude identificar notas de morango, especiarias, chocolate, alcaçuz, fumo e notas balsâmicas.
Paladar: Médio corpo, macio, equilibrado, com taninos vivos, indicando ainda potencial de guarda. Além das sensações sentidas no olfato, aparecem no sabor notas terrosas, de café e cogumelos.
Outras considerações: Elaborado com as variedades Merlot (65%), Cabernet Franc (20%) e Cabernet Sauvignon 15%, o vinho possui 13% de álcool.

Classificação: Excelente/Excepcional.
Média de preço: Comprado na França (Maison du Vin de Saint-Emilion), por 13.85 €.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Concha y Toro é eleita novamente a marca de vinhos mais poderosa do mundo


Pelo segundo ano consecutivo, a companhia chilena Concha y Toro foi eleita a mais poderosa marca de vinhos do mundo pelo ranking “Power 100 Most Powerful Wine Brands”, elaborado pela Intangible Business, consultoria que analisa o mercado de bebidas.

“Este prêmio é um reconhecimento que nos enche de orgulho. Já estamos convencidos que a marca Concha y Toro é nosso maior ativo, por isso trabalhamos todo dia para cuidar dela e fazê-la crescer. Temos presença em mais de 145 países, tendo nos transformado em uma marca onipresente e admirada”, comentou Eduardo Guilisasti, CEO da Viña Concha y Toro.

O ranking “Power 100 Most Powerful Wine Brands” é elaborado por um painel de especialistas com vasta trajetória na indústria de vinhos. Eles foram encarregados de avaliar mais de 10 mil marcas, das quais foram selecionadas as top 100.

Conheça as 10 marcas mais poderosas da lista:

1 - Concha y Toro | Chile
2 - Barefoot Wine | USA
3 - Gallo | USA
4 - Robert Mondavi | USA
5 - Yellowtail | Australia
6 - Sutter Home | USA
7 - Hardys | Australia
8 - Lindeman's | Australia
9 - Beringer | USA
10 - Jacobs Creek | Australia

Mais dois bons vinhos da Viña Arboleda

Comentei aqui há alguns dias sobre o vinho ArboledaChardonnay. Recentemente, também pude provar outros dois rótulos da marca, através de uma ação promovida pelo Winebar junto com a importadora Expand. O Chardonnay para mim foi o melhor deles, mas o Pinot Noir e o Carmenère também se saíram bem na prova.

Confira as avaliações:

Arboleda Pinot Noir 2013


Tipo: Tinto.
Produtor: Viña Arboleda.
Origem: Aconcágua Costa, Chile.
Visual: Cor rubi brilhante, pouco profunda.
Olfato: Frutado e agradável, traz notas de goiaba, framboesa, baunilha, especiarias e um toque tostado, lembrando fósforo queimado.
Paladar: Corpo leve, delicado, com taninos e acidez em equilíbrio. O sabor nos faz recordar as características sentidas no aroma, junto com um toque de chocolate. Final persistente.
Outras considerações: Elaborado 100% com uvas Pinot Noir, o vinho amadureceu durante 12 meses em barricas de carvalho francesas, das quais 25% novas. Tem 13,5% de graduação alcoólica. Fresco e elegante, é um bom exemplar de Pinot Noir do Novo Mundo.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 150 (Importadora Expand)

Arboleda Carmenère 2011


Tipo:
Tinto.
Produtor: Viña Arboleda.
Origem: Colchágua, Chile.
Visual: Cor violácea de média profundidade.
Olfato: Frutas negras maduras, floral, baunilha, melaço e especiarias.
Paladar: Corpo médio, apresenta taninos de boa qualidade e bom frescor. Tem sabor marcado por notas apimentadas, trazendo de volta as características do nariz e também um toque de café.
Outras considerações: Feito apenas com uvas Carmenère, parte (60%) do vinho maturou em barricas novas de carvalho americano e francês, durante 12 meses. Tem 14% de álcool.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 120 (Importadora Expand)

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Longue-Dog: um divertido vinho do Languedoc (#CBE)

Este mês, o tema da Confraria Brasileira de Enoblogs (CBE) foi proposto pelo confrade Cristiano Orlandi (blog Vivendo Vinhos). Ele sugeriu um vinho francês que não fosse nem Bordeaux e nem Borgonha. Uma ótima pedida para explorar diferentes terroirs da França!


A minha escolha foi de um vinho simples e com um rótulo muito divertido, elaborado no Languedoc, sul da França. Detalhe para o trocadilho com o Longue-Dog, um cachorrinho bem simpático estampado na parte frontal e no contra-rótulo da garrafa.


Esta região de clima mediterrâneo é ensolarada o ano quase inteiro, por isso as uvas sofrem rápida maturação. Entre as variedades tintas mais cultivadas estão Carignan, Cinsaut, Grenache, Mourvèdre e Syrah. Também são produzidos espumantes, vinhos brancos e rosés, porém em menor quantidade.

Confira as características do vinho provado:

Longue-Dog 2012

Tipo: Tinto.
Produtor: Boutinot.
Origem: Languedoc, França.
Visual: Cor rubi de média profundidade.
Olfato: Frutas vermelhas silvestres em compota, como morangos, alcaçuz, melaço e especiarias.
Paladar: Corpo leve, equilibrado e com final de intensidade média. Seu sabor repete as características do nariz e ainda traz um toque de chocolate.
Outras considerações: Elaborado com 55% de Grenache Noir, 40% de Syrah e 5% de Mourvèdre, tem 13,5% de graduação alcoólica e não estagiou em carvalho. É um bom vinho para acompanhar pratos com molho de tomate. Harmonizei com fondue de queijo e ficou muito bom.

Classificação: Bom.
Média de preço: R$ 45 a R$ 55 (Importadora La Pastina. À venda na rede Carrefour, onde comprei na promoção por R$ 31,50. Neste preço, considero uma boa compra)

terça-feira, 30 de junho de 2015

Primeiro vinho de Angola é produzido na propriedade de um general


Já está sendo comercializado o primeiro vinho produzido em Angola. O Serras da Xxila, como foi batizado, deverá chegar também em breve à Europa. A bebida é produzida na Herdade de Santa Maria, de propriedade de Higino Carneiro (foto), general do exército angolano e atual governador da província do Cuando Cubango.

O Serras da Xxila é feito a partir da casta angolana Muzondo Menga Ixi. “Como estamos no início, é difícil estabelecer uma comparação com outros vinhos”, explica o administrador da Herdade, Carlos Carneiro.

O vinho tem teor alcoólico de 15% e amadureceu em barricas de carvalho francês e americano durante um ano. Outros vinhos, feitos a partir de variedades europeias, já estão em elaboração na vinícola.


A herdade de Santa Maria tem 17 mil hectares, 50 dos quais dedicados para a produção de vinhos e de uva de mesa. O projeto conta com assessoria brasileira e portuguesa e teve, desde 2008, um investimento total de 16 milhões de dólares. Esse valor inclui a produção de outros produtos, como azeite, além de pecuária.

MERCADO - Angola é um grande consumidor de vinhos. Somente em 2014, o país comprou 62,6 milhões de litros da bebida aos portugueses, no valor de 95,1 milhões de euros. Atualmente, é o segundo mercado mais importante de vinhos de Portugal.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Brasileiro recebe título de "Comendador de Vinhos de Bordeaux"


O sommelier Vicente Jorge, Winehunter da Wine.com.br, é um profissional com mais de 20 anos de experiência e que passa pelo menos oito meses do ano em busca de rótulos para introduzir no nosso mercado. Por toda a sua história no mundo do vinho, ele acaba de ser condecorado “Comendador de Vinhos de Bordeaux”, título máximo da prestigiada região francesa.

Com o reconhecimento oficial da La Commanderie Du Bontemps, ele poderá participar e organizar eventos oficiais dos vinhos de Bordeaux.

Para obter a honraria, Vicente passou por uma exigente seleção, na qual foram avaliados seus conhecimentos e suas competências sobre os vinhos da região. Além do conhecimento, o posto de Comendador exige que o candidato seja indicado por dois comendadores titulares e mais um padrinho. No caso de Vicente, o padrinho é Jean Charles Cazes dono do Chateau Lynch Bages, uma das pessoas mais influente do Médoc.

“Ser nomeado Comendador de Bordeaux é uma honra e uma alegria, trabalho há muito tempo em prol da disseminação da cultura do vinho no Brasil, e poder representar essa, que é uma das mais importantes regiões vitivinícolas do mundo, é uma prazerosa conquista e reconhecimento desses anos de trabalho”, afirmou Vicente Jorge.

Em julho de 2014, o francês Manu Brandão, também Winehunter da Wine.com.br, conquistou o título de Comendador de Vinhos de Bordeaux, e foi o primeiro representante de uma empresa brasileira com a honraria.

Quer saber mais sobre o dia a dia de Vicente Jorge? Consulte o Diário do Winehunter.

domingo, 28 de junho de 2015

Provei com sushi o vinho eleito no Japão como o melhor para acompanhar este tipo de culinária

Há alguns dias, tivemos uma degustação on-line promovida pelo Winebar. No encontro, vários blogueiros e formadores de opinião do mundo do vinho provaram e comentaram três rótulos da vinícola chilena Arboleda, numa conversa com a presença da embaixadora da marca, Maria Eugenia Chadwick. Entre os três bons vinhos provados estava este Chardonnay, eleito recentemente pelo Sakura Japan Women’s Wine Awards o melhor vinho para acompanhar sushi. Esta competição reúne os mais competentes especialistas de vinho do Japão. Este ano, 340 profissionais participaram da avaliação.


Para comprovar este título, resolvi prova-lo acompanhando sushis, sashimis e afins. Confira as minhas impressões:

Arboleda Chardonnay 2013

Tipo: Branco.
Produtor: Viña Arboleda.
Origem: Aconcágua, Chile.
Visual: Cor amarelo dourado brilhante.
Olfato: Ótima complexidade e qualidade. Envolve notas de mel, mineral, lichia, jaca, floral, folha de limoeiro e um leve toque tostado.
Paladar: Bem estruturado, mostra excelente acidez e final prolongado. O sabor reflete as mesmas sensações do nariz.
Outras considerações: Elaborado 100% com a variedade Chardonnay, o vinho foi fermentado em barricas de carvalho francês (30% novas) e maturou em contato com suas borras durante dez meses. Tem 13,5% de álcool.
A harmonização: O vinho realmente combina perfeitamente com sushi. Principalmente com as peças de salmão, por conta da sua boa untuosidade e acidez, que contrastam com a gordura do peixe. Por ser um vinho delicado e fresco, se envolve muito bem com este tipo de culinária e, surpreendentemente, foi muito bem com gengibre, um ingrediente difícil de harmonizar. Aprovado.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 120 (Importadora Expand)

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Os dez mandamentos do bom bebedor de vinho

Eu gosto de correr. E lendo sobre o assunto esbarrei sobre “os dez mandamentos do corredor”. A ideia é legal, traz umas dicas realmente importantes para quem já pratica o esporte ou quer se arriscar nas pistas. Pensando no assunto, resolvi fazer algo parecido para os bebedores de vinho. Trata-se de um “guia” divertido, mas que tem o seu fundo de verdade. Espero que gostem!


Os dez mandamentos do bom bebedor de vinho:

1 - Ser humilde: ninguém entende absolutamente tudo de vinho.

2 – Dividir: apreciar um vinho fica mais divertido quando compartilhado com alguém.

3 – Experimentar: tentar provar diferentes estilos e nacionalidades para compreender as diferenças da bebida.

4 - Não se exceder: vinho contém álcool. Somente o consumo responsável faz de você um apreciador do bem.

5 - Não beber rótulo: escolha o que você realmente gosta e não deixe se influenciar pela marca ou denominação.

6 - Usar acessórios adequados: uma boa taça faz toda a diferença. Compre um abridor decente e tenha também um decanter.

7 - Escutar quem conhece: siga os conselhos de quem tem experiência no ramo. Você pode se surpreender com algumas sugestões.

8 - Não confiar em todo mundo: os pseudo-entendedores estão em toda parte, falam demais e são arrogantes. Porém não têm muita profundidade no assunto. Livre-se deles.

9 - Cultivar a saúde: duas taças de vinho por dia são excelentes para o seu bem-estar, principalmente se você pratica exercícios físicos e se alimenta de maneira saudável.

10 – Estudar: ler sobre o assunto e conhecer regiões vinícolas vão deixar você culturalmente mais sábio e feliz.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Quer participar de um reality show sobre vinhos?


Está sendo produzido nos Estados Unidos um reality show chamado Best Bottle. A série de TV envolverá uma competição entre dois grupos, onde o objetivo é produzir o melhor vinho. Cada grupo contará com cinco participantes e a orientação de um enólogo conceituado.

A casa semana, os competidores que se saírem bem ganharão prêmios e os de pior desempenho deixarão o programa. O concorrente vencedor vai ser escolhido por um painel de juízes e ganhará um prêmio de US$ 100 mil e um carro. Além disso, seu vinho será engarrafado e ele poderá comercializá-lo com o auxílio de uma campanha especial de marketing.

Está interessado em participar? Veja aqui como candidatar-se ao Best Bottle.

Confira o vídeo promocional do programa.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Barbi Brunello de Montalcino 2007


Tipo: Tinto.
Produtor: Fattoria Dei Barbi.
Origem: Toscana, Itália.
Visual: Cor granada brilhante, de média profundidade.
Olfato: Boa complexidade, com notas de alcaçuz, castanha portuguesa, café, ameixa e especiarias.
Paladar: Leve, seco, bem estruturado, com taninos de qualidade. O sabor repete as impressões do nariz e traz também toques terrosos e de baunilha. Final longo e especiado.
Outras considerações: Elaborado 100% com a uva Sangiovese Grosso, o vinho amadureceu 24 meses em barris de carvalho. Tem 14% de álcool. Bom potencial de guarda.

Classificação: Excelente.
Média de preço: No Brasil, R$ 320 (Importadora Interfood).

terça-feira, 23 de junho de 2015

Veuve Clicquot estaciona seu trailer amarelo no Recife


A marca de champagne Veuve Clicquot, famosa por suas criativas ações de marketing, estacionou o seu trailer amarelo, o Clicquot Yellow Trailer, em pleno corredor do Shopping RioMar, no Recife. O local, que funciona como como um charmoso bar, está comercializando a bebida em taça e em garrafa, e fica em funcionamento até o dia 12 de julho.

A ação acontece em parceria com a Lead! Assessoria e Promoção e o restaurante Rui Paula. Este último, comercializando algumas de suas iguarias para acompanhar os bebes. Os clientes que consumirem uma taça do champagne levam para casa a famosa tacinha amarela da marca. Já quem comprar uma garrafa, ganha um jogo de cinco taças.


Também são comercializadas no trailer alguns dos cobiçados kits da marca. 

O Clicquot Yellow Trailer está localizado no piso L3 do Shopping RioMar Recife - Avenida República do Líbano, 251 - Pina e funcionará de segunda a sábado, das 9h às 22h, e aos domingos, das 12h às 21h.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Vega Saúco Piedras Crianza 2011


Tipo: Tinto.
Produtor: Vega Saúco.
Origem: Toro, Espanha.
Visual: Cor rubi brilhante, de média profundidade.
Olfato: Ameixa, ervas secas, floral e melaço.
Paladar: Médio corpo, taninos de boa qualidade e em equilíbrio com a acidez da bebida. Um vinho saboroso, que repete as impressões do nariz. Final de médio a prolongado.
Outras considerações: Elaborado 100% com a variedade Tempranillo, o vinho amadureceu por no mínimo 12 meses em carvalho, sendo 50% nas barricas de carvalho de origem francesa e 50% nas de origem americana. Tem 14,5% de álcool.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 65 a 70 (No Recife no Empório 4 Elementos).

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Norton Elegido Lote Negro Nº1 2007


Este vinho faz parte de uma série especial da vinícola argentina Norton, comercializada apenas na própria bodega. Foi elaborada pelo talentoso enólogo Jorge Riccitelli e é composta por três cortes da uva Malbec. 

O Lote Negro Nº 1 é o top da linha. Logo em seguida vêm o Azul e o Vermelho, os quais também já pude degustar. Sem dúvida, o mais interessante é mesmo o Lote Nego, sobre o qual eu falo mais um pouco a seguir:

Tipo: Tinto.
Produtor: Norton.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Cor violeta de média profundidade.
Olfato: Frutas maduras, café, especiarias e tostado.
Paladar: Maduro, com médio corpo e taninos marcantes. Final de durabilidade média e bem picante.
Outras considerações: Elaborado com as variedades Petit Verdot e Malbec, este é um vinho que ainda tem a evoluir com a guarda. Sua graduação alcoólica é de 14,5%. Um bom par para carnes vermelhas. O produtor não informa sobre o seu estágio em madeira nem sobre a porcentagem do corte, apenas indica que as uvas são procedentes das melhores parcelas de seus vinhedos.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: 100 pesos argentinos.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Salentein produz vinhos exclusivos para a rede Outback


A rede de restaurantes Outback, que já oferecia boas opções de vinhos em sua carta, agora conta com uma novidade. São dois vinhos, um tinto e um branco, elaborados pela prestigiada vinícola argentina Salentein.

O tinto é um blend das uvas Malbec, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot. Já o branco é feito com a variedade Torrontés. Nas lojas Outback do Recife (shoppings Recife e RioMar), os rótulos estão sendo vendidos a R$ 63. As bebidas também estão disponíveis em taça, no valor de R$ 18,50.

Os vinhos Outback foram desenvolvidos para harmonizar com os pratos da rede. O responsável pelas duas seleções foi o enólogo Pepe Galante, responsável por famosos vinhos argentinos, em conjunto com seu braço direito na vinícola, Gustavo Bauzá. “Fizemos muitos testes, experimentações e degustações até chegarmos às duas seleções ideais para os vinhos Outback. Tudo para alcançar o ideal de qualidade, sabor e corpo”, explicou Galante. A importação é da Zahil.

Tive a oportunidade de provar a versão tinta do vinho. Confira a avaliação:

Outback Red Selection 2014


Elaborado no Vale do Uco, em Mendoza, o vinho tem em sua composição as uvas Malbec, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot. Sua coloração é de um violáceo profundo e os aromas apresentam agradáveis notas de ameixa, alcaçuz e especiarias. Paladar de médio corpo, com bom equilíbrio entre acidez e taninos. Além das mesmas características sentidas no nariz, podemos registrar no sabor um toque de café. Final de média durabilidade, com um marcante gosto de especiarias. Um vinho jovem e versátil, que cai bem com os diferentes cortes de carne da casa. Tem 14% de álcool.

Classificação: Bom.
Preço: R$ 63.

Serviço:
Outback Recife
Shopping RioMar 
(Segunda a quinta: das 12h às 15h e das 18h às 23h. Sexta: das 12h às 15h e das 17h30 às 0h. Domingos e feriados: das 12h às 22h30)
Shopping Recife 
(Segunda a quinta: das 12h às 15h e das 18h às 23h. Sexta: das 12h às 15h e das 18h às 0h. Domingos e feriados: das 12h às 22h30)

Importadora faz promoção de São João para o Nordeste


O São João é uma época de festejos no Nordeste. Pensando nisso, a  Licínio Dias (LD) Importação lançou uma promoção de época com entregas para as cidades de Recife, Natal e João Pessoa, válida até o dia 30/06. Na compra de um vinho, o cliente leva outro.

São cinco seleções de grandes rótulos de Portugal e da Espanha, com preços que variam entre R$ 104 e 148. As opções são as seguintes:

:: Espumante Vadio Brut 2009 + Quinta da casa Amarela 2009 = R$ 148,47
:: Cepa 21 2006 + Quinta da Casa Amarela 2009 = R$ 144,38
:: Casa dos Zagalos 2006 + Assobio 2010 = R$ 104,44
:: Herdade do Portocarro 2008 + Assobio 2010 = R$ 104,73
:: Tapada do Chaves Branco 2008 + Vinha da Defesa Rosé 2012 = R$ 112,45

Pedido mínimo de R$ 200. Encomendas pelo fone (81) 3125-8080 ou pelo e-mail vendas@liciniodias.com.br

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Alamos Viognier 2012


Tipo: Branco.
Produtor: Catena Zapata.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Coloração amarelo palha com reflexos dourados.
Olfato: Aparecem abacaxi, mel, pêssego, damasco e leves notas tostadas.
Paladar: Possui médio corpo, acidez balanceada e bom frescor. O sabor traz de volta as sensações do nariz junto com um discreto toque mineral. Final prolongado.
Outras considerações: Elaborado 100% com a variedade Viognier, o vinho passou seis meses em carvalho americano e francês. A linha Alamos é feita para o mercado internacional e tem como principal característica a boa relação entre preço e qualidade. Este vinho tem 13,5% de álcool e combinou muito bem com comida japonesa.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 48 (Importadora Mistral)

terça-feira, 16 de junho de 2015

Dois Cavas de qualidade abrem a primeira a seleção do Clube W Espumantes

Conforme já havia falado aqui no blog, a Wine.com.br lançou recentemente uma nova modalidade para o seu clube de assinaturas. Trata-se do Clube W Espumantes, que oferecerá, durante três meses, seleções exclusivas da bebida. As se associar ao Clube, os clientes recebem duas garrafas de espumante no valor de R$ 58, cada, e têm os mesmos benefícios dos outros tipos de assinatura.

No último fim de semana, provei os dois exemplares da primeira seleção e fiquei bem satisfeita com a qualidade dos produtos. A dupla da estreia é composta por dois Cavas* produzidos pelas Bodegas Langa.

*(espumantes espanhóis elaborados na região de Penedès que são produzidos através do método tradicional, com segunda fermentação em garrafa)

Confira a avaliação:

Cava Real de Aragón Brut


Tipo:
Espumante.
Produtor: Bodegas Langa.
Origem: Calatayud, Penedès, Espanha.
Visual: Cor amarelo palha. Perlage fino e intenso, com bolhas bem centralizadas e de boa durabilidade.
Olfato: Frutas brancas, como melão e maçã, um leve toque floral, notas de levedura e de bolo de frutas.
Paladar: Envolvente, mostra acidez agradável, boa cremosidade e sensação de “agulha” bem presente. O sabor retrata sensações semelhantes às encontradas no nariz. Boa persistência.
Outras considerações: Elaborado com as variedades Chardonnay e Macabeo, este espumante maturou dez meses em contato com suas leveduras e passou mais três anos descansando nas caves da bodega. Tem 11,5% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.

Cava Real de Aragón Brut Rosé


Tipo: Espumante.
Produtor: Bodegas Langa.
Origem: Calatayud, Penedès, Espanha.
Visual: Intensa coloração cereja. Borbulhas intensas e de boa persistência.
Olfato: Apresenta notas de frutas silvestres frescas, como morango e framboesa, além de toques de flores secas e de panificação.
Paladar: Tem corpo médio, acidez correta e boa sensação de frescor. As frutas predominam o sabor, de forma elegante, mas também aparecem as outras características percebidas no aroma.
Outras considerações: Este é produzido apenas com a uva Garnacha e estagiou nove meses em contato com as suas leveduras. O envelhecimento nas caves foi de três anos. Sua graduação alcoólica é de 12%.

Classificação: Muito Bom.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Willian Cole Albamar Sauvingon Blanc 2012


Tipo: Branco.
Produtor: Willian Cole.
Origem: Vale de Casablanca, Chile.
Visual: Cor amarelo dourado.
Olfato: Notas de maracujá, mel e um interessante toque tostado, embora o vinho não tenha passado por madeira.
Paladar: Médio corpo e boa acidez. O sabor traz as mesmas impressões do nariz. Final de médio a intenso.
Outras considerações: Achei que este vinho já não estaria bom para tomar, pois pela cor dourada já mostrava-se mais maduro. Tive uma grata surpresa, pois ele evoluiu e desenvolveu notas diferentes do que estamos acostumados a encontrar num Sauvignon Blanc. Pensei até que ele tinha estagiado em carvalho, mas a ficha técnica informa que ele não passou por madeira. Valeu a experiência. Tem 12,5% de álcool. Tomar agora.

Classificação: Muito Bom
Preço: R$ 31,90 (Domus Vini)

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Champagne Taittinger Brut Réserve


Tipo: Espumante.
Produtor: Taittinger.
Origem: Reims, Champagne, França.
Visual: De cor  amarelo palha, exibe impressionante perlage - uma verdadeira "explosão" de finas e numerosas borbulhas, com excelente durabilidade.
Olfato: Delicado, com notas de amêndoas, frutas brancas, damasco e pão.
Paladar: Elegante, cremoso e de ótima acidez. O sabor repete as sensações do nariz e traz ainda leves toques cítricos. Final persistente.
Outras considerações: Elaborado com uvas Chardonnay (37%), Pinot Noir (48%) e Pinot Meunier (15%), a bebida ficou sobre suas borras (sur lie) por um período de no mínimo 36 meses. A graduação alcoólica é de 12%.

Classificação: Excelente.
Preço: R$ 205 (no Recife, no Empório 4 Elementos).