segunda-feira, 2 de março de 2015

Enólogo da vinícola italiana Masi ministra curso no Recife


A Casa dos Frios e a Importadora Mistral vão promover um curso especial sobre os vinhos da vinícola italiana Masi, nos próximos dias 9 e 10, com a presença do doutor em enologia Vincenzo Protti (foto). A atividade acontecerá na unidade da Casa dos Frios do bairro das Graças.

O curso abordará a história da vinícola, fundada no Vêneto pela família Boscaini no final do século 18, e falará sobre os principais rótulos da casa, inclusive os produzidos em seu projeto no Vale do Tupungato, na Argentina.

O curso será limitado a 30 vagas e contará com degustações, além da explanação sobre seis rótulos especiais da Agrícola Masi. O investimento para os dois dias de apresentação é de R$ 500. As inscrições podem ser feitas presencialmente nas lojas da Casa dos Frios (Graças e Boa Viagem).

Curso de Vinhos da Agrícola Masi
Quando: 9 e 10 de março, a partir das 17h30
Onde: Casa dos Frios – Av. Rui Barbosa, 412, Graças
Mais informações: (81) 8160-9932/9815-7273

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Contraste Branco 2013 [Young Winemakers]


Tipo: Branco.
Produtor: Conceito Wines.
Origem: Douro, Portugal.
Visual: Cor verde limão. Límpido e transparente.
Olfato: Rico em sensações, envolve notas cítricas florais, de pera, maçã verde, minerais e leve tostado.
Paladar: Ótima acidez, sabor untuoso e equilibrado. Um vinho fresco e ao mesmo tempo elegante.
Outras considerações: Elaborado pela enóloga Rita Marques, traz em sua composição as castas Rabigato, Códega, Códega do Larinho, Gouveio e Viosinho. Parte (30%) do vinho fermentou em carvalho novo. Tem 13% de álcool.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 72.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Dez verdades e mentiras que os amantes de vinhos repetem


A colunista de vinhos do periódico americano The Wall Street Journal, Lettie Teague, escreveu recentemente sobre as verdades e mentiras que os amantes do vinho vivem repetindo por aí. Em seu texto, ela afirma que algumas opiniões são ditas com tanta frequencia que com o tempo terminam parecendo verdades. E no mundo do vinho não é diferente. Por isso ela escolheu as dez frases mais marcantes sobre o assunto e resolveu consultar profissionais da área para saber se elas são verdade ou mito. Em algumas delas, a jornalista dá o seu próprio veredito. Confira:

1. O mais caro é o melhor

Lettie afirma que nunca acreditou nessa máxima e revela já tomou vinhos “de primeira qualidade” que custam US$ 25 a garrafa e outros até mais baratos. Um dos especialistas entrevistados afirmou que os comerciantes de vinho é que são responsáveis por essa ideia. “Ou você pode ser conduzido pelo ego do produtor”, completou.

2. O vinho se faz no vinhedo

“Este provérbio se tornou o favorito de aparentemente todos os produtores de vinho do mundo”, diz Lettie. Um dos entrevistados disse que um enólogo pode arruinar anos de viticultura se não tomar boas decisões na vinícola. “Erros podem incluir uma temperatura de fermentação inadequada ou sufocamento de boas frutas com muito carvalho”. Então, para ela, talvez seja melhor dizer: "Um bom vinho começa em um bom vinhedo".

3.  Não importam as pontuações e os críticos de vinhos

Para um dos entrevistados, as marcas são o que motivam as pessoas a comprar o vinho. “Pontuações realmente não vendem vinho", observou. Já outro acredita que em um mercado tão competitivo, os resultados são mais importantes do que nunca. A jornalista chegou então à conclusão que as pontuações só importam quando os vinhos conquistam mais de 90 pontos.

4. Os produtores fazem vinhos para os críticos

Bebedores de vinho não são os únicos que procuram altas pontuações. Diz-se que aqueles que fazem também. Os enólogos (aparentemente) decifraram os paladares de críticos influentes e produzem vinhos que eles gostam. Ficção ou realidade? “Há um oceano de marcas de massa que não procuram opiniões e avaliações. E, em última análise, tentar agradar os críticos traz muito poucos resultados. Na verdade, apenas uma ínfima quantia de vinhos do mundo são classificados pelos críticos”, diz ela.

5. Os vinhos com alto teor alcoólico não são bons

Um determinado grupo de bebedores de vinho, amadores e profissionais, desqualifica vinhos com níveis elevados de álcool (superior a 14%). Na opinião da colunista, este grupo é composto principalmente por pessoas que escrevem blogs de vinho. No entanto, os fatos não parecem apoiar estes pontos de vista, nem parece importar aos fabricantes de vinho. “O mundo produz e consome uma enorme quantidade de vinho com um teor de álcool bem acima de 14%. Os vinhos com mais álcool provêm de frutas mais maduras, resultado de temperaturas mais quentes. E algumas das melhores safras de Bordeaux têm ocorrido em anos quentes, como a de 1947 ou de 1982”, aponta a colunista.

6. Um grande vinho deve ser de guarda

“Normalmente um vinho caro se transforma ao longo dos anos. Não só suporta a passagem do tempo, mas melhora e se torna mais sutil e complexo. Eu acho que esta ideia é verdade e tem resistido à passagem do tempo”, avalia Lettie.

7. Os vinhos do Velho Mundo são melhores que o do Novo Mundo

Este tema dividiu os entrevistados. Porém, todos eles reconheceram a sensibilidade do Velho Mundo: centenas de anos de tradição, incluindo o envolvimento pessoal com o vinhedo. “Acho que o melhor é um híbrido: a sensibilidade do Velho Mundo combinada com as técnicas inovadoras do Novo Mundo constituem o melhor vinho”, filosofa a autora.

8. Os sommeliers só gostam de vinhos desconhecidos

“Os sommeliers que estão sempre à procura de algo interessante e novo devem lembrar-se de que os seus clientes talvez possam preferir vinhos com os quais já estão familiarizados. Talvez o ditado deva ser alterado para: um mau sommeliers só gosta de vinhos desconhecidos”, observa Lettie.

9. Os bebedores de vinhos tintos são mais sofisticados que os bebedores de vinhos brancos

A ideia de que os bebedores de vinho tinto são entendidos ao invés de meros consumidores manteve-se ao longo de décadas. No entanto, muitos profissionais do vinho discordam. "Se você realmente gosta de vinho", diz um especialista, "é o oposto". O vinho branco oferece uma gama ampla de possibilidades, é mais versátil e mais fácil para tomar sem alimentos. Talvez haja uma percepção machista que o vinho tinto é mais importante e sofisticado, porque é mais masculino. Alguns dos vinhos mundiais mais complexos e atraentes são feitos a partir de uvas brancas (Borgonha, Vouvray, Mosel Riesling e Champagne).

10. O vinho é difícil

“Este é apenas um ditado ou uma reclamação? É sem dúvida uma declaração que eu ouvi muitas vezes. Embora existam muitos guias para idiotas afirmando que o vinho é simples, aprender e conhecer o vinho é um desafio. Ou pelo menos é para aqueles que procuram algo além de uma bebida puramente consumível. O vinho é o estudo de muitos temas simultâneos: história, geologia, cartografia, geografia, política, química e sociologia. Quem afirmar o contrário está deliberadamente minimizando a complexidade do assunto ou está mentindo”, sentencia.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Camaleão Alvarinho 2013 [Young Winemakers]


Tipo: Branco.
Produtor: João Cabral Almeida.
Origem: Minho (Vinhos Verdes), Portugal.
Visual: Cor verde limão, límpido e transparente.
Olfato: Exibe notas cítricas, de pera e lichia, além de um toque mineral.
Paladar: Tem ótima presença de boca, com frescor marcante e sabor semelhante às sensações do nariz.
Outras considerações: Tal qual o animal que inspira seu nome, o rótulo deste vinho muda de cor de acordo com a temperatura da bebida. O bonito desenho do camaleão vai de verde a um tom azulado assim que o vinho está no ponto para ser consumido. Traz na sua composição a uva Alvarinho e tem 12% de álcool.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 85

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Miolo estaciona ônibus em pleno lote 43 para oferecer piquenique aos visitantes


O grupo Miolo resolveu aproveitar o conceito dos food trucks - veículos adaptados para a venda de comidas – para lançar o projeto Wine Garden. Trata-se de um bar móvel que oferece aos turistas que visitam a vinícola, em Bento Gonçalves (RS), um piquenique com serviço de alimentação, venda de vinhos e espumantes em taça e espaço para a criançada.

Os itens do cardápio vão desde sanduíches especiais a bruschettas e quiches da estação. A maior parte dos itens é elaborada com produtos orgânicos da horta do Wine Garden.

A ideia é, a cada estação, oferecer um “cenário” diferente para o projeto. O ônibus está parado em pleno Lote 43 – a parcela de vinhedo mais emblemática da Miolo, onde são cultivadas as uvas vinho ícone da marca.


Wine Garden
Complexo da Vinícola Miolo – Bento Gonçalves (RS)
Finais de semana e feriados prolongados
Das 10h às 18h30

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Prêmio Excelência elege os 30 melhores vinhos de Portugal


A Revista de Vinhos de Portugal condecorou, na última sexta-feira (13), os 30 melhores vinhos portugueses, durante a divulgação do Prêmio Excelência 2014. O evento foi realizado no Centro de Congressos e Exposições da Alfândega, no Porto, reunindo centenas de integrantes do setor.

A escolha foi feita por cinco avaliadores, que provaram mais de duas mil amostras de vinhos, dentre as quais escolheram as 30 melhores. Confira a lista:

  • Vértice Douro Espumante Pinot Noir rosé 2006 (Vértice - Caves Transmontanas)
  • Parcela Única Vinho Verde Alvarinho branco 2012 (Anselmo Mendes Vinhos)
  • Quinta de Soalheiro Vinho Verde Alvarinho Reserva branco 2012 (Vinusoalleirus)
  • Antónia Adelaide Ferreira Douro tinto 2011 (Sogrape Vinhos)
  • Chryseia Douro tinto 2012 (Prats & Symington)
  • CV Douro tinto 2012 (Lemos & Van Zeller)
  • Quinta da Gaivosa Douro tinto 2009 (Alves de Sousa)
  • Quinta da Manoella Vinhas Velhas Douro tinto 2012 (Wine & Soul)
  • Quinta da Touriga Chã Douro tinto 2012 (Jorge Rosas)
  • Quinta do Monte Xisto Douro tinto 2012 (João Nicolau de Almeida & Filhos)
  • Carlos Lucas “20 Anos” Dão tinto 2012 (Magnum Vinhos)
  • Carrocel Dão tinto 2011 (Quinta da Pellada - Álvaro Castro)
  • Quinta da Vegia Superior Dão tinto 2007 (Casa de Cello /Quinta da Vegia)
  • Campolargo Bairrada branco 2011 (Manuel dos Santos Campolargo)
  • Luís Pato Vinha Barrosa Bairrada tinto 2011 (Luís Pato)
  • Pai Abel Bairrada branco 2012 (Mário Sérgio Alves Nuno)
  • 1836 DoTejo Grande Reserva tinto 2012 (Companhia das Lezírias)
  • Esporão Private Selection Alentejo Garrafeira tinto 2011 (Esporão)
  • Incógnito Reg. Alentejano tinto 2011 (Cortes de Cima)
  • Marquês de Borba Alentejo Reserva tinto 2012 (J. Portugal Ramos Vinhos)
  • Mouchão Reg. Alentejano tinto 2007 (Vinhos da Cavaca Dourada)
  • Quinta do Mouro Rótulo Dourado Reg. Alentejano tinto 2009 (Miguel Louro - Quinta do Mouro)
  • Siza Reg. Alentejano tinto 2009 (Adega Mayor)
  •  Quinta da Terrugem Alentejo tinto 2011 (Aliança - Vinhos de Portugal)
  • Andresen Porto White 40 anos (J.H. Andresen)
  • Quinta da Romaneira 40 year old Tawny Port (Sociedade Agrícola da Romaneira)
  • Quinta do Noval Porto Vintage 2012 (Quinta do Noval – Vinhos)
  • Quinta do Vesúvio Porto Vintage 2012 (Symington Family Estates)
  • Alambre Moscatel de Setúbal 40 anos (José Maria da Fonseca Vinhos)
  • Blandy’s Madeira Frasqueira Malvasia 1988 (Blandy´s Wine Lodge)

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Bastardo 2013 [Young Winemakers]


Tipo: Tinto.
Produtor: Conceito Wines.
Origem: Douro, Portugal.
Visual: Cor rubi, pouco profundo. Límpido e transparente.
Olfato: Exótico, exala notas de frutas vermelhas silvestres, banana, canela e flores secas.
Paladar: Leve, equilibrado, com taninos de ótima qualidade. Final de intensidade média a prolongada. O sabor traz de volta as sensações do olfato.
Outras considerações: Um vinho descomplicado e fácil de tomar, mas ao mesmo tempo muito elegante. Elaborado pela enóloga Rita Marques, que ousou usar na sua composição apenas uvas da variedade Bastardo, uma das mais antigas do Douro e mesmo assim pouco valorizada naquela região. A bebida amadureceu 10 meses em carvalho francês, tem 13,5% de álcool e um rótulo muito bacana.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 145.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Hobby Branco 2013 [Young Winemakers]


Tipo: Branco
Produtor: Hobby Portuguese Wines
Origem: Alentejo, Portigal.
Visual: Cor amarelo palha.
Olfato: Seu agradável aroma envolve notas minerais, de frutas brancas, aspargos e casca de laranja.
Paladar: Um leve adocicado faz contraponto com a boa acidez do vinho. O sabor traz de volta as sensações do nariz e dura por um longo tempo na boca.
Outras considerações: Elaborado no Alentejo pelos Young Winemakers Diogo Campilho e Pedro Pinhão, é feito 100% com uvas brancas da variedade Antão Vaz. Tem 14% de álcool.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 80

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Young Winemakers propõem ousadia e modernidade aos vinhos de Portugal


Eles são de distintas regiões de Portugal e têm um estilo em comum: produzem vinhos ousados, divertidos e de caráter moderno, porém com um padrão de qualidade diferenciado. O grupo é composto por seis jovens enólogos que resolveram juntar forças e lançar um projeto que vai de encontro aos padrões tradicionais da enologia portuguesa. Eles são os Young Winemakers of Portugal.

A ideia surgiu quando eles decidiram participar de uma feira de vinhos e terminaram inscrevendo-se em conjunto, uma vez que a inscrição individual ficaria muito dispendiosa. Com o sucesso da iniciativa, resolveram oficializar o grupo.

A irreverência da proposta se reflete nas marcas de cada um e até na estampa dos rótulos. Saiba um pouco mais sobre cada um deles:

VADIO – Luis Patrão é enólogo da Herdade do Esporão, mas tem o Vadio como seu projeto pessoal. Desenvolvido na região da Bairrada, produz um espumante, um branco e dois tintos, aproveitando bem o potencial da casta Baga. Foi recentemente eleito o produtor revelação de Portugal pela Revista Wine – a Essência do Vinho.



CAMALEÃO - Apesar de jovem, João Maria Cabral já atuou como enólogo em vinícolas do Dão, Ribatejo e Douro. Teve experiências internacionais na Alemanha e na Argentina e foi vice- presidente da Associação Portuguesa de Jovens enófilos. Hoje atua como consultor e tem o seu próprio vinho, o Camaleão. Trata-se de um branco produzido na região de Lisboa com a uva francesa Sauvignon Blanc. Tal qual o animal que inspira seu nome, o rótulo do vinho muda de cor de acordo com a temperatura.

CONCEITO - Rita Marques desistiu da engenharia para abraçar uma paixão, a enologia. Participou de vindimas em Portugal e também no renomado Château Montelena, na Califórnia. Cursou um ano da sua formação em Bordeaux com Denis Dubourdieu, uma das maiores referências francesas da enologia, e ainda estagiou na Nova Zelândia e na África do Sul.Em 2005, lançou o projeto Conceito, no Douro, onde produz brancos e tintos, um deles exclusivamente com a uva Bastardo, que anda meio discriminada naquela região.


HOBBY - Diogo Campilho e Pedro Pinhão são enólogos da Quinta da Lagoalva, no Tejo, mas que tem o Hobby como o seu projeto pessoal ( e também como um hobby). Eles produzem nas regiões do Alentejo e Tejo e contam com brancos e tintos em seu portfólio.

CLIP – Pedro Barbosa aproveitou as terras da família na região do Minho para elaborar o seu Vinho Verde Clip, feito com a casta Loureiro. Além do seu projeto, ele atua como técnico de viticultura na Quinta do Vale do Meão, no Douro.


Nos próximos posts, confira a avaliação do blog sobre os rótulos provados.

ONDE ENCONTRAR:

Os vinhos dos Young Winemakers estão sendo trazidos para o Brasil pela Licínio Dias (LD) Importação e Épice. No Recife, à venda na Casa dos Frios. Em Olinda, na Tia Dulce.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Hotel na Serra Gaúcha oferece hospedagem dentro de pipas de vinho

Localizado no limite entre as cidades de Gramado e Canela, na Serra Gaúcha, o Hotel Fazenda Pampas resolveu inovar no conceito de hospedagem e transformou 14 barricas de 100 mil litros de vinho em apartamentos de três andares.


Outros dois hotéis semelhantes, na Holanda e na França, oferecem quartos em barricas, porém bem menores. “Não há nada parecido no mundo. Temos as maiores suítes-pipas do planeta”, explica Gabriel Knapp, diretor-executivo do empreendimento. As pipas foram adquiridas em vinícolas gaúchas como Garibaldi e Aurora. Depois de reformadas, ficaram com 90 metros quadrados, contando um banheiro anexo.

No primeiro piso fica a sala de estar, com sofá, TV de LED, cozinha com mesa e cadeiras, além do banheiro. O quarto fica no segundo andar, com cama de casal, TV de LED de 42 polegadas e climatizador. A cobertura, com uma vista privilegiada da região entre Gramado e Canela, serve como um mirante.


As “cabanas” estão próximas a um morro, à beira de lagos, num ambiente onde são criados cavalos, emas, lhamas, ovelhas, entre outros animais. Neste tipo de hospedagem, é possível inclusive levar seu animal de estimação.

Das 20 pipas projetadas, 14 estão prontas para o uso. Há três pipas duplas, na horizontal, para atender pessoas com limitação em subir escadas. “É um sucesso. Os hospedes que gostam de maior privacidade e buscam uma experiência única acabam preferindo ficar nas pipas”, comenta Gabriel Knapp.

www.hoteispampas.com.br/snw/

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Pissani traz ao Recife massas gourmet e vinhos italianos

Há um século, Teresa Pissani mudou-se do norte da Itália para o Uruguai, levando com ela a técnica de preparação das massas artesanais. Essa tradição terminou chegando ao Brasil através das mãos de seu bisneto, o chef uruguaio Carlos Pissani, que resolveu fundar, em 2007, uma boutique de massas em São Paulo. Respeitando a tradição da gastronomia italiana e utilizando ingredientes naturais, frescos, sem conservantes ou corantes e recheios sofisticados, as suas massas tornaram-se sucesso e começaram a ser comercializadas em várias partes do país.


Há apenas dois meses, Recife ganhou a primeira boutique de massas artesanais Pissani Massas Gourmet do Nordeste. A loja fica instalada em Boa Viagem e oferece cerca de 40 variedades de massas, molhos artesanais, azeites, manteigas saborizadas e outros produtos gourmet, além de vinhos italianos exclusivos. Os produtos são vendidos congelados, mas conseguem manter as suas características de textura e sabor, de forma que parecem ter acabado de serem preparados.

Numa visita à casa, ficamos sabendo que as massas são elaboradas com um blend de três diferentes farinhas: uma brasileira, outra argentina e a última italiana. São 38 variedades de massas com recheios mais diversos e gnocchi. Além das massas clássicas, há também opções doces, integrais e sem glúten.


Entre as interessantes criações que provamos estão o Ravioli recheado de Angus à Moda de Punta del Este (R$ 59 - 500g), a massa  especial com Queijo de cabra Boursin com Cebola Caramelizada e Ervas Finas (R$ 50 - 500g) e a sem glúten de espinafre, ricota e nozes (R$ 43 - 500g). Outras opções interessantes são as massas doces que vão desde a feita com chocolate recheada com chocolate branco e frutas vermelhas (R$ 57 – 500g) ao ravióli recheado com doce de leite, banana da terra e amêndoas (R$ 56 – 500g).


E a criatividade dos recheios ainda passa pelo queijo negro, boursin com alho-poró, brie com lascas de laranja caramelizadas, burrata com lascas de limão, haddock defumado com aspargos verdes e cordeiro com alcaparras, entre outros.

VINHOS - A Pissani ainda oferece aos clientes vinhos italianos para harmonizar com suas massas. São seis rótulos de diferentes regiões da Itália, sendo quatro tintos (Dolcetto d´Alba Aldo Clerico, Chianti DOCG Tenute di Sticciano, Merlot Terre Siciliane IGT Terre di Stefano e Primitivo IGP Salento Miali), um branco (Pinot Grigio IGT Sicilia Marchese di Montefusco) e um rosé (Rosato IGT Sicilia Marchese di Montefusco). Os preços variam de R$ 49 a R$ 97.


Pissani Massas Gourmet
Avenida Conselheiro Aguiar, 125, Boa Viagem
Galeria Futura, loja 03
(81) 3877.387
www.pissani.com.br

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Atletas de maratona na Serra Gaúcha serão premiados com o equivalente a parte do seu peso em garrafas de vinho

A Serra Gaúcha vai ser palco, neste domingo (08), da Maratona do Vinho 2015. De forma individual, em dupla, em quarteto ou grupos de oito pessoas, os participantes devem percorrer 42.195 quilômetros entre as cidades de Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul e Garibaldi.


A prova vai contar com vários pontos chamados "Vino Stop", onde os atletas de revezamento fazem a troca do bastão e aproveitam para se recuperar experimentando suco, vinho, pão, queijo e salame da região, embalados por apresentações de músicas e danças típicas.

Outra curiosidade da Maratona é a premiação. Os melhores maratonistas (ou garrafonistas) serão contemplados com vinhos A quantidade de garrafas que os campeões levarão para casa irá corresponder a uma porcentagem do seu peso corporal. Se o grande vencedor pesar 80 quilos, ele receberá 10% deste peso em vinho, o que representa oito quilos, cerca de 10 garrafas quando pesadas. Os rótulos oferecidos serão da vinícola Lidio Carraro, parceira oficial do evento  A ideia é inspirada na Maratona de Medoc, na França.

Mais informações:
www.maratonadovinho.com.br

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Saiba quem foram os melhores do ano em Portugal eleitos pela revista Wine

A publicação portuguesa Wine - A Essência do Vinho realizou, mais uma vez, o concurso “Melhores do ano”. O prêmio elege os vinhos e personalidades da área que mais se destacaram no ano anterior.

Conheça os vencedores:

Vinho do ano:
JMF Moscatel de Setúbal Superior 1911



Avaliação da Wine: Com 19,5 pontos em 20 possíveis, o JMF Moscatel de Setúbal Superior 1911 é descrito como um vinho “profundamente aromático, com enorme finura e delicadeza, final incrivelmente longo e emotivo pela frescura e concentração”. Das centenas de vinhos provados e avaliados pelo painel de provas da WINE no último ano, o JMF 1911 foi aquele que obteve a pontuação mais elevada e que mereceu maior reconhecimento. Foi também a primeira vez que um Moscatel de Setúbal alcançou este prêmio.

Personalidade do Ano no Vinho:
Dora Simões, presidente da Comissão Vitivinícola Regional (CVR) Alentejana


Enólogo do ano:
Luís Duarte, ligado a projetos como a Herdade dos Grous e a Herdade da Malhadinha Nova, entre outros, além de ser também produtor de vinhos com marca própria no Alentejo.



Produtor do Ano:
Quinta das Bágeiras (Bairrada), de Mário Sérgio.

Produtor Revelação do Ano:
Luis Patrão, do projeto Vadio (Bairrada).


Sommelier do ano:
António Lopes, do Hotel Conrad.

Personalidade do Ano no Brasil:
Ciro Lilla, proprietário das importadoras Mistral e Vinci.

Personalidade do Ano na Gastronomia:
Carlos Ferreira, do Café Ferreira.

Chefe de Cozinha do Ano:
José Avillez 

Restaurante Gastronômico do Ano:
Pedro Lemos, o novo estrelado Michelin do Porto.

Restaurante com Melhor Serviço de Vinhos:
Vinum at Graham’s, casa que integra o projeto de enoturismo das Caves Graham’s, em Vila Nova de Gaia.

Destino Gastronômico:
Lisboa

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Casas del Toqui Single Estate Sauvignon Blanc 2014 (#CBE)

Como já é de praxe, começo de mês é dia de comentar o vinho da Confraria Brasileira de Enoblogs (CBE). A sugestão de fevereiro foi do confrade Alexandre Frias (Diário de Baco/Enoblogs), que fez a seguinte pedida:  “Um vinho de Sauvignon Blanc sem limite de preço". A minha escolha foi degustada comendo um belo ceviche. Confira:


Tipo: Branco
Produtor: Casas del Toqui
Origem: Vale Central, Chile.
Visual: Cor amarelo palha com tons esverdeados.
Olfato: Muito vivo e delicado, ressalta notas de frutas cítricas, de maracujá e minerais.
Paladar: Excelente frescor amparado pela sua boa acidez. Sabor frutado que mescla notas de lima e maracujá.
Outras considerações: Elaborado com 100% de uvas Sauvignon Blanc, tem 13,5% de álcool. Um vinho com acidez suficiente para acompanhar ceviches. Também vai bem com outros pescados e frutos do mar ou simplesmente pode ser apreciado geladinho, nos dias mais quentes.

Classificação: Muito Bom (Boa Compra)
Média de preço: R$ 30 [No Recife, na Dom Vinho]

Terceiro maior comerciante de vinhos de Bordeaux traz boas opções de rótulos ao Brasil

Na última semana, tive a oportunidade de participar de um almoço com Christophe Lillet (foto), "négociant" do grupo Salin, terceiro maior comerciante de vinhos de Bordeaux. Os vinhos da empresa estão chegando ao Brasil através do importador e distribuidor Lacomex, que também conta com o recém-lançado site de vendas Wine in Pack.


Com o faturamento de 60% milhões de dólares, 75% do lucro da Salin vem da comercialização de rótulos Grand Cru Classé (os vinhos mais desejados da região depois dos Premier Grand Cru Classé) e 25% de vinhos de Petit Châteaux (vinhos de pequenos produtores de "regiões satélites" de Bordeaux e alguns das apelações "Bordeaux" e "Bordeaux Supérieur").

E um dos principais trabalhos de Christophe é justamente selecionar bons vinhos de Petit Châteaux para comercializar com exclusividade. Portanto, ele oferece uma boa gama de vinhos com qualidade, que chegam ao mercado com preços acessíveis.

A Lacomex já vem trabalhando há alguns anos em parceria com a Salin e tem cada vez mais aumentado a gama de produtos da França, principalmente os rótulos com a boa relação de custo-benefício, como explicou o fundador da empresa, Luiz Figueiredo.

Durante o encontro, provamos três tintos de diferentes apelações. Todos muito interessantes.

Confira a avaliação:

Château Savariaud Bordeaux Supérieur AOC 2009


Tipo: Tinto.
Produtor: Jean-Christophe Mauro
Origem: Bordeaux, França.
Visual: Cor rubi intensa.
Olfato: Interessante gama de aromas, envolvendo notas florais, cassis, frutas vermelhas maduras, café e azeitonas.
Paladar: Bom equilíbrio entre acidez e taninos. Médio corpo. Final com intensidade de média a longa. O sabor repete as sensações sentidas no olfato.
Outras considerações: Elaborado com as variedades Cabernet Sauvignon (59%), Merlot (32%), Cabernet Franc (5%) e Malbec (4%), teve estágio parcial (10%) em barricas de carvalho. Um vinho agradável e equilibrado, numa boa faixa de preço. Tem 14% de álcool.

Classificação: Bom/Muito Bom
Média de preço: R$ 65

Chateau Charmail Haut-Médoc 2007


Tipo: Tinto.
Produtor: Chateau Charmail.
Origem: Bordeaux, França.
Visual: Cor rubi com traços granada. Média intensidade.
Olfato: Floral, frutas vermelhas em compota, especiarias (grão de mostarda), café e caramelo.
Paladar: Médio corpo e boa adstringência provocada por taninos de qualidade. Repete as sensações sentidas no nariz e ainda traz notas tostadas e de nozes. É um vinho maduro, elegante e gastronômico, de final marcante e prolongado.
Outras considerações: Elaborado com uvas Merlot (55%), Cabernet Sauvignon (30%) e Cabernet Franc (15%), este tinto é um Cru Bourgeois (vinho de qualidade superior, porém não classificado como Cru Classé). Maturou um ano em barris de carvalho e sua graduação alcoólica é de 13%. Bom potencial de envelhecimento.

Classificação: Excelente
Média de preço: R$ 164

La Dame de Malescot Margaux 2006


Tipo:
Tinto.
Produtor: Château Malescot Saint Exupéry.
Origem: Bordeaux, França.
Visual: Cor rubi claro e brilhante.
Olfato: Elegantes aromas de frutas maduras negras e vermelhas, erva-doce, baunilha, tabaco e café.
Paladar: Equilibrado, com taninos sedosos e longo retrogosto. Corpo médio. Sabor semelhante às características do olfato.
Outras considerações: Segundo vinho do Château Malescot Saint Exupéry - Grand Cru Classé que é vizinho de muro do renomado Chateau Margaux. Elaborado com Merlot (50%) e Cabernet Sauvignon (50%), maturou 24 meses em barris de carvalho. Sua graduação alcoólica é de 13%.

Classificação: Excelente/Excepcional.
Média de preço: R$ 249

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Alta Vista Classic Reserva Torrontés 2013


Tipo: Branco.
Produtor: Alta Vista.
Origem: Cafayate, Salta, Argentina.
Visual: Cor amarelo palha com reflexos esverdeados.
Olfato: Une notas cítricas e florais a um agradável perfume de erva doce.
Paladar: Leve e fresco, de excelente acidez e final prolongado. As mesmas sensações do nariz voltam no sabor.
Outras considerações: Elaborado com uvas Torrontés colhidas na fria região de Salta, este branco tem 14% de álcool. Ótima companhia para frutos do mar, pescados e comida oriental. Também pode ser apreciado como aperitivo nos dias de calor.

Classificação: Excelente
Média de preço: R$ 42 [No Recife, em lojas como Casa dos Frios, DLP e RM Express]

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Para Francisco agora é sommelier

Durante uma visita ao Vaticano, o presidente da Associação Italiana de Sommeliers, Franco Maria Ricci, junto com mais 180 produtores de vinhos, sommeliers e críticos de vinho, concederam na semana passada ao Papa Francisco um diploma honorário de sommelier.


A ideia da homenagem surgiu pelo fato do Papa ser um entusiasta do vinho, sempre fazendo declarações positivas acerca da bebida.Ele chegou a declarar em um evento que "sem vinho, não há festa". Francisco afirmou que bebe um pouco de vinho italiano e de outros países. "Mas só um pouco", frisou. O avô do Papa Francisco era enólogo, de origem piemontesa.

O Papa ainda ganhou da delegação uma caixa de madeira com dois vinhos tintos e um tastevin, recipiente de prata utilizado antigamente para se degustar e avaliar vinhos.

REFERÊNCIAS - Na Bíblia, existem 224 citações sobre a bebida e o primeiro milagre de Jesus foi transformar água em vinho. Portanto, não é novidade os cristãos apreciarem o vinho, mesmo aqueles mais "fervorosos". O segredo está apenas na moderação.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Homem furta garrafa de Romanée-Conti avaliada em R$ 78 mil e diz que iria bebê-la sozinho

Um curioso episódio aconteceu no mês passado, em Londres. Boris Chaudemanche foi flagrado saindo da loja de departamento Harrods, em Knightsbridge, segurando nas mãos simplesmente uma garrafa do icônico vinho francês Romanée-Conti, avaliada em 20 mil libras (R$ 78 mil).


Durante audiência, o ladrão afirmou que não tinha ideia do preço do vinho e que não iria vendê-lo, mas sim bebê-lo sozinho. Seu “truque” para furtar objetos era embalá-los em papel alumínio, segundo o jornal Telegraph. Chaudemanche achava que a bebida custava entre 45 e 70 libras e ficou espantado quando soube do preço real da garrafa.

Sua sentença sairia nesta segunda-feira (26), mas audiência foi adiada para fevereiro, para que os investigadores avaliem se ele tem problemas com álcool. Chaudemanche tem 34 anos e admite que bebe uma garrafa de whisky a cada dois dias.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Miguel Torres Reserva de Pueblo País 2012

Tipo: Tinto.
Produtor: Miguel Torres.
Origem: Vale de Curicó, Chile.
Visual: Cor rubi clara, puxando para granada.
Olfato: Muito rico em sensações. Exibe notas florais, licorosas, de canela, noz moscada, e compota de frutas vermelhas.
Paladar: Médio corpo. Taninos boa qualidade estão bem presente, que junto com uma correta acidez dão ao vinho um bom equilíbrio. Final longo e adocicado. Madeira integrada ao conjunto. Um vinho bem diferente, com bastante fruta, mas com algo que lhe dá um caráter exótico, talvez pelo conjunto das notas licorosas e de especiarias.
Outras considerações: Elaborado com a uva País, antiga variedade que vem sendo resgatada no Chile, o vinho teve breve fermentação em barricas. Sua graduação alcoólica é de 12%. Leve e agradável.


Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 36 (esgotado no wine.com.br)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Louis Roederer tem nova importação exclusiva no Brasil

Quando se fala em marcas ícones de champagne, a maioria dos apreciadores da bebida lembrará certamente da Cristal. Trata-se de um dos rótulos de maior prestígio da região e o mais emblemático da tradicional Maison Louis Roederer, que agora tem novos importadores para o Brasil. As empresas-irmãs Épice e Licínio Dias (LD) Importação ganharam uma concorrência e agora têm a exclusividade da marca no país.


A história da Louis Roederer começou em 1776, quando Nicholas-Henri Schreider fundou a Dubois Père & Fils.Porém, marca só ganhou o seu nome atual quando Louis Roederer, sobrinho de Nicholas, assumiu a empresa, em 1883.

Louis deu uma “oxigenada” nos negócios incrementando as vendas e as exportações. Em 1876, o czar da Rússia Alexandre II, grande apreciador de champagnes, pediu que a Louis Roederer produzisse para ele um champagne único e exclusivo. Foi então que surgiu oo Cristal. Engarrafado em cristal Baccarat, era o primeiro Cuvée Prestige da história de Champagne.


A partir de 1945, o champanhe Cristal começou a ser comercializado em garrafas de vidro branco, mas o conteúdo continuou fiel às suas origens, seguindo rigorosos padrões de elaboração.

Além do Cristal, a Épice e a LD têm no portfólio os champagnes Louis Roederer Brut Premier branco e rosé.