terça-feira, 20 de maio de 2008

Monte do Pintor

Com uma produção limitada a apenas 60 mil garrafas por ano, esta simpática vinícola alentejana tem como enólogo o premiado engenheiro Paulo Laureano. A decisão de limitar a produção é dos proprietários Carlos e Teresa Gonçalves, que resolveram apostar na qualidade e cuidado na produção dos seus vinhos. “Temos barricas que custam 600 Euros e que em quatro anos vão para o lixo”, revelou Teresa, ao me explicar as normas de controle da empresa. Cerca de 15% da produção é exportada para o Brasil. A Monte do Pintor possui 12 hectares de vinhas, onde predominam a cepas Trincadeira e Aragonez, e uma bem equipada adega construída no meio da plantação. Os rótulos dos seus vinhos são de autoria do escultor João Cutileiro e chamam a atenção pela simplicidade e beleza. Já dentro das garrafas, vão bons vinhos, que comentarei a seguir.

A degustação:

Pequeno Pintor Tinto, 2005
De pequeno só o nome. É um vinho jovem e bem agradável, de cor granada, elaborado com as uvas Aragonez e Trincadeira. Mostra aromas complexos onde aparecem notas de fruta madura, como a ameixa. Na boca apresenta ligeira acidez, mas bem equilibrada, com um final que lembra café torrado. Está pronto para beber. Tem 14% de álcool e estagiou seis meses em barricas de carvalho francês. Em Portugal custa cerca de 5,70€. Aqui no Brasil, infelizmente, o preço sobe um bocado, sendo vendido a R$ 36,50 na importadora Atacamax, no Recife.


Monte do Pintor Tinto, 2004
O que me chamou a atenção neste vinho foi a sua variedade de aromas, que vão desde café, fumo, caramelo e frutas maduras, mostrando ainda, com elegância, um pouco da madeira. Só peca pelo álcool, que se mostra um tanto presente no final. A coloração é granada e, na prova, é um vinho macio, com notas de vegetais e frutas, e ainda um leve chocolate que persiste na boca. Tem 14,5% de teor alcoólico e possui em sua composição as castas Trincadeira e Aragonez. Passou por 12 meses em barricas de carvalho Allier e 8 meses em garrafa. Em Portugal custa entre 10€ e 12.5€. Chega ao Brasil por R$ 62,30, na importadora Lacomex, no Recife. Já no Pão de Açúcar está por R$ 96,71. É uma pena que estamos sujeitos a essas variações de preços.


Monte do Pintor Reserva Tinto, 2003
Esta aí um vinho interessante, que, segundo Teresa Gonçalves, é produzido apenas nos melhores anos. A sua cor é bem escura e fechada. Revela aromas finos, onde se sobressaem frutas maduras, geléias e um pouco de madeira. É um rótulo que lembra alguns bons vinhos feitos no Novo Mundo. Se percebe o capricho na sua elaboração, principalmente pelo paladar equilibrado que apresenta. Tem notas de baunilha e especiarias, persistindo na boca com uma leve acidez. Foi elaborado com as castas Aragonez e Trincadeira e tem 14% de álcool em sua composição. Este vinho só foi produzido em 2001 e 2003 e passou 12 meses em carvalho francês Allier. No Recife, custa R$ 104, na Vinhos Ingá. Lá em Portugal está por 20€.