sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Rocca Rosso Salento – 2005

Quem acompanha o blog, sabe que sempre estou atrás de vinhos com bons preços e qualidade. Nessa busca, acho algumas surpresas, mas também “quebro a cara” algumas vezes. É o caso deste vinho. Num dia comum de “caçada”, estava olhando a adega de um distribuidor que costumo frequentar e me deparei com uma super oferta: um vinho italiano IGT (Indicação Geográfica Típica) em uma interessante embalagem, com uma taça de brinde, por volta de R$ 15. Prejuízo ou não, pelo preço valia a pena conhecer.

Pois bem, é um vinho que está praticamente morto, com péssima acidez. Elaborado com as uvas Negroamaro e Malvasia Nera, tem cor rubi, com aromas muito pronunciados de fruta pra lá de madura, com um toque amendoado. Na boca, reflete a mesma sensação de fruta madura, bem seco e um leve apimentado. Para mim, está desequilibrado. O teor alcoólico é de 12%. Também comprei um Montepulciano D´Abruzzo do mesmo produtor, no mesmo preço. Ainda não provei, mas espero ter uma impressão melhor. Depois conto pra vocês.

Classificação: Foi para o ralo.
Faixa de Preço: R$ 15
Onde encontrar: No Recife, no RM Express.

3 comentários

Ari Teixeira disse...

Primeiro parabéns pelo magnífico blog. Escreve aqui de Porto Alegre, no mais rigoroso inverno dos últimos 45 anos e tenho me aproveitado de tuas dicas para aquecer esse frio com bons tintos. Provei esse mesmo italiano e tive a mesma sensação. Aliás, muitos vinhos italianos chegam assim ao Brasil: sem vida, asfixiados ou pela má qualidade em sua produção ou por dificuldades no transporte.
Abraços,
Ari

Ari Teixeira disse...

Primeiro parabéns pelo magnífico blog. Escreve aqui de Porto Alegre, no mais rigoroso inverno dos últimos 45 anos e tenho me aproveitado de tuas dicas para aquecer esse frio com bons tintos. Provei esse mesmo italiano e tive a mesma sensação. Aliás, muitos vinhos italianos chegam assim ao Brasil: sem vida, asfixiados ou pela má qualidade em sua produção ou por dificuldades no transporte.
Abraços,
Ari

Ari Teixeira disse...

Primeiro parabéns pelo magnífico blog. Escreve aqui de Porto Alegre, no mais rigoroso inverno dos últimos 45 anos e tenho me aproveitado de tuas dicas para aquecer esse frio com bons tintos. Provei esse mesmo italiano e tive a mesma sensação. Aliás, muitos vinhos italianos chegam assim ao Brasil: sem vida, asfixiados ou pela má qualidade em sua produção ou por dificuldades no transporte.
Abraços,
Ari