terça-feira, 22 de março de 2011

Vinhos argentinos têm novas regras para as denominações “Reserva” e “Gran Reserva”

O Instituto Nacional de Vitivinicultura da Argentina instituiu novas regras para a identificação de vinhos Reserva e Gran Reserva naquele país, modificando resoluções de 2003, 2004 e 2008.

A partir de agora, só se poderá utilizar a palavra Reserva para designar vinhos elaborados com uma listagem pré-determinada de uvas (confira abaixo) que estejam em condições de resultar em bebidas de qualidade superior. A quantidade de uva requerida para elaboração de cada 100 litros de vinho deverá ser de pelo menos 135 kg. Os vinhos Reserva tintos terão que passar pelo menos 12 meses em carvalho.
Para brancos e rosés, este intervalo de tempo não poderá ser inferior a seis meses.

Para os Gran Reserva, deverão ser empregados 140kg para cada 100 litros. A passagem por madeira será, de no mínimo, 24 meses. No caso de brancos e rosés, este período não poderá ser inferior a doze meses.

Quando se tratar de cortes de vinhos de diferentes safras, todos os seus componentes deverão respeitar o tempo mínimo de amadurecimento estabelecido.

Os vinhos com tais denominações (Reserva e Gran Reserva) deverão também respeitar a graduação alcoólica mínima liberada ao consumo de acordo com o ano de sua elaboração.

Lista de variedades autorizadas para a elaboração de vinhos autorizadas para a elaboração de vinhos Reserva e Gran Reserva

Variedades Tintas:
Malbec – Merlot - Cabernet Sauvignon - Cabernet Franc – Carmenère – Syrah - Pinot Negro - Petit Verdot - Pinot Meunier – Tannat - Lambrusco Maestri – Barbera – Sangiovese – Bonarda – Tempranillo - Carignan

Variedades Rosadas:
Gewürztraminer - Pinot Gris - Canari

Variedades Brancas:
Chardonnay – Chenin – Torrontés – Verdello – Sauvignon – Semillón –Sauvignonasse – Riesling – Viognier - Moscato Bianco - Pinot Blanco - Prosecco - Petit Manseng