sexta-feira, 20 de maio de 2011

Aventuras enogastronômicas no Chile e Argentina (Mendoza) - Parte 6

CONCHA Y TORO - Quem vai ao Chile conhecer vinícolas não pode deixar de ir à Concha y Toro. É certo que ela está incluída em quase todos os roteiros turísticos de quem viaja a Santiago, pois fica a apenas 40 minutos da capital. O tour lembra uma visita de estudantes a um museu, pois são várias turmas ao dia e o esquema é corrido, com apresentação de vídeo - visita às caves – caminhada pelos vinhedos. Tudo muito rápido.

Depois de uma (também rápida) degustação, o visitante “cai” direto na loja da vinícola, onde pelo menos pode se pode fazer boas aquisições, pois os preços são bem amigáveis, comparando-os aos do Brasil.

Mas por que visitar a Concha y Toro?

Apesar do corre-corre e de todo o caráter comercial, você vai poder botar os pés na vinícola que hoje ostenta a posição de 5ª maior do mundo. Ela foi fundada em 1883 pelo rico advogado Don Melchor de Concha y Toro. No local, ainda está a casa de verão da família, hoje usada como escritórios da empresa, conhecida “casona”. A imponente construção tem 4 mil metros quadrados, 22 quartos e quatro salões. A vinícola também exibe 22 hectares de jardins, por sinal muito bem cuidados.

Vai poder conhecer os vinhedos que dão origem às uvas do Don Melchor, vinho ícone da Concha y Toro, e também entrar no clima de mistério que gira em torno do rótulo Casillero del Diablo. Explico: reza a lenda que dono da vinícola guardava suas melhores garrafas em uma adega subterrânea (casillero, em espanhol) e percebeu que elas andavam desaparecendo. Então ele criou o boato que um demônio tomava conta do lugar. Os ladrões, com medo, sumiram.

Hoje, quem visita a vinícola pode reviver a história com uma apresentação cheia de suspense, onde a imagem do diabo (em forma de projeção) pode ser avistada entre as frias e escuras caves originais da época.

Já falei aqui no blog como a concha y Toro conseguiu a façanha de chegar à posição de 5ª do mundo. Mas acho que isso se deve ao seu poder de popularizar o vinho. Aqui no país, por exemplo, ela invadiu o mercado com o rótulo “Reservado” – um vinho de qualidade inferior, feito para conquistar os consumidores brasileiros desavisados, com um apelo chamativo no rótulo (pois se você não sabe, a palavra “reservado” não significa tecnicamente nada no mundo do vinho).

Ah, mais uma curiosidade! Na minha última caminhada por lá, indaguei alguns funcionários da Concha y Toro (sommeliers formados e treinados para receber o público) sobre o que eles achavam sobre o vinho Reservado. E, surpresa! Eles não conheciam o Reservado!

Pois bem, deixando o Reservado de lado, vamos falar sobre outros rótulos da Concha y Toro. Numa linha um pouquinho acima da do dito cujo citado anteriormente, vem as séries Travessia, Frontera e Sunrise.

Subindo mais um degrau estão o Casillero del Diablo e a linha Trio. Logo após vem a serie Gran Reserva Riberas e o Marqués de Casa Concha. E entre os que antecedem os “tops” Don Melchor e Almaviva estão o Terrunyo e o branco Amelia. Um parêntesis para o Almaviva – trata-se de um vinho enquadrado numa nova categoria, chamada “Primer Orden”. Surgiu através de parceria com o afamado grupo francês Baron Phillippe de Rotschild.

Para quem quer começar a se aventurar pelo mundo dos vinhos da Concha y Toro sem gastar tanto, pode começar pela linha Trio, que custa na faixa de R$ 35. São vinhos bem elaborados e fáceis de tomar.

Nos próximos posts falo sobre alguns vinhos provados durante minha passagem pela Concha y Toro. Até mais!

2 comentários

Manda disse...

Uma delicia essas aventuras enogastronomicas, Fabiana! Quando programar outra viagem dessas, me avisa, que eu vu junto! :)
bjos

Fabiana Gonçalves disse...

Oi, Amanda!

Provavelmente, ano que vem vou fazer outra dessas. Bora mesmo!

Bjos