terça-feira, 30 de agosto de 2011

Bacalhôa: excelentes perspectivas de colheita em 2011


Já havia afirmado aqui há alguns dias que os vitivinicultores franceses estão otimistas com a qualidade da colheita este ano [relembre].

Em Portugal, o coordenador de enologia do Grupo Bacalhôa, Vasco Penha Garcia, mostrou-se entusiasmado com a vindima de 2011, que já está a todo vapor.

De acordo com ele, a primavera foi chuvosa e relativamente quente, permitindo um bom desenvolvimento vegetativo. Mas existiram cuidados redobrados por parte da equipe de viticultura para prevenir os ataques das doenças e pragas da vinha. O mês de julho seco e com temperaturas amenas permitiu um início de maturação das uvas equilibrado.

O Grupo Bacalhôa (composto pelas empresas Bacalhôa Vinhos de Portugal e Aliança Vinhos de Portugal) tem vinhas em oito regiões vitivinícolas diferentes e produz quatro tipos de vinho: espumantes, frisantes, tranquilos e licorosos. Os enólogos da empresa decidem quando é que se apanham as uvas, não só para cada região, mas também para cada tipo vinho. As uvas para os vinhos espumantes são as primeiras a serem vindimadas, seguido das uvas para os vinhos brancos, tintos e, em último, aquelas destinadas aos vinhos fortificados, como o Moscatel de Setúbal.

Na Bairrada, após a colheita pontual das uvas Chardonnay para a produção de vinho base espumante no dia 1º, a vindima reiniciou no dia 23 com a casta Bical para vinhos brancos e Baga para vinhos base espumante “blanc de noirs”.

A Quinta dos Loridos iniciou a campanha no último dia 16, com a produção de base espumante “blanc de noirs” da casta Castelão. Os mostos, segundo os produtores, mostram um ótimo equilíbrio entre o grau de açúcar e a acidez.

No dia 17, a vindima iniciou-se na lendária Quinta do Carmo com a produção do vinho branco. Vasco Penha Garcia tem “excelentes expectativas” para estes vinhos e diz que as castas Roupeiro, Antão Vaz e Fernão Pires “apresentam um estado de maturação ideal”.

A adega de Azeitão iniciou a recepção com uvas brancas das castas Fernão Pires e Chardonnay. Segundo o enólogo, lá a qualidade também está ótima. A vindima dos tintos começará de imediato com a casta Trincadeira.

Igualmente, na Quinta dos Quatro Ventos no Douro, verificou-se uma antecipação na data habitual de início de vindima. Já na Quinta da Garrida, no Dão, não se prevê que comecem antes do início de setembro.

*Com informações do Grupo Bacalhôa