quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Dunamis testa novos vinhos com o público antes de lançá-los no mercado

Um dos mais novos produtores brasileiros, a Dunamis Vinhos e Vinhedos, realizou na última terça-feira, no Recife, uma ação inédita. Reuniu no restaurante Ponte Nova um time de jornalistas, sommeliers e pessoas ligadas ao mundo do vinho, do qual tive a honra de participar, para avaliar seis vinhos que ainda não foram lançados no mercado. A iniciativa será repetida no Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e na Serra Gaúcha.

Nascida em 2001, com o plantio suas primeiras mudas, a Dunamis (que em grego antigo significa força e capacidade de adquirir habilidades), possui plantações nos municípios de Dom Pedrito e Cotiporã. Conta com a consultoria de Mario Geisse, um dos énologos mais prestigiados da América Latina; do expert em solos Carlos Flores; da Embrapa e de Enrique Mirazo, uruguaio especializado em estudos vitícolas. O enólogo chefe é Javier González, que já comandou as Bodegas Carrau (Uruguai). Outro enólogo da equipe é Thiago Peterle, filho de Jose Antonio Peterle, fundador da Dunamis.

Os primeiros vinhos são da safra de 2008. Hoje, têm no mercado os rótulos “Cor” (Merlot/Cabernet Sauvignon), “Ser” (Chardonnay/Sauvignon Blanc) e “Tom” (Rosé de Cabernet Sauvignon). A empresa possui um pensamento ambiental definido, com a proposta de redução de uso de agroquímicos e emprego de produtos naturais, como a substituição de herbicidas por vinagre, entre outras ações.

Um estudo detalhado do solo também foi feito. Todo o terreno está mapeado de acordo com as suas condições. Ao todo, são 25 hectares de área plantada.


OS TESTES – Segundo Julio Cesar Kunz (foto abaixo), CEO da Dunamis, cerca de cem degustadores avaliarão os novos vinhos que serão lançados pela empresa. Ao todo, no Recife, foram testados seis vinhos: dois tintos, dois brancos e dois rosés.

O primeiro teste foi feito pela equipe técnica da Dunamis para definir os estilos dos vinhos. A segunda, realizada pela equipe comercial e administrativa, para eliminar cortes defeituosos. A terceira etapa consiste nas avaliações, como a feita no Recife. Por fim, a equipe técnica, baseada nos cálculos estatísticos, vai decidir o destino das amostras.

Pelo que pude perceber, a proposta é de vinhos leves e jovens. Alguns terão passagem por madeira. Agora é só esperar para ver (e provar).

1 comentário

Okamix disse...

Estou visitando o site pela primeira vez e gostei bastante !

Já adicionei o site nos favoritos para estar acompanhando sempre as novidades !

Parabéns e Sucesso !
www.okamix.com.br