segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Vinhos do Dão conquistam mais paladares no Brasil

Semana passada, tive a oportunidade participar da prova de vinhos promovida no Recife pela Comissão Vitivinícola do Dão (CVRD). O mesmo evento foi realizado em São Paulo, atraindo enófilos ansiosos por novidades ou para provar alguns ícones daquela tradicional região portuguesa, que recebeu sua Denominação de Origem Controlada em 1908.

Antes de falar dos vinhos da prova, é importante ressaltar que o Brasil é hoje o terceiro mercado dos rótulos do Dão. E o mais interessante é que essas vendas vêm aumentando. Nos dez primeiros meses deste ano, por exemplo, o mercado brasileiro importou 22% a mais que no mesmo período de 2010.

“Só no ano passado, o Brasil recebeu mais de um milhão de garrafas de vinho do Dão”, contabilizou Arlindo Cunha, presidente da CVRD, que veio ao Brasil especialmente para as provas. Outro ponto importante revelado por ele foi que a venda de brancos dobrou em relação a 2010. Aliás, me encantaram os brancos da prova, com opções bem distintas: umas muito frescas e outras bem estruturadas.

Para Cunha, que foi já ministro da Agricultura e Comissário Europeu de Portugal, deverá haver um aumento ainda mais significativo nas exportações para o mercado brasileiro, devido a negociações entre a União Europeia e o Mercosul. A intenção é reduzir as medidas protecionistas atualmente aplicadas aos vinhos portugueses no Brasil.

PROVA – Estiveram presentes tradicionais produtores e outros que ainda não possuem representação no Brasil – uma bela oportunidade para se conhecer os novos horizontes do Dão.

Uma dessas vinícolas que ainda não tem seus vinhos distribuídos por aqui é a Quinta das Camélias: para mim, uma das grandes surpresas da prova, com tintos de fazer suspirar.

Por falar em suspirar, os vinhos de Álvaro Castro (foto) atraíram dezenas de fãs confessos. Eu mesma “babei” pelas últimas gotas de um Carrocel 2008 “espremidas” pelo próprio Álvaro em minha taça. De lá também me deixou com saudade o delicadíssimo Quinta da Pellada 2001.

Devido ao pouco tempo e ao inevitável (e normalmente agradável) bate-papo com os amigos no decorrer da prova, muitos rótulos passaram batidos. Mas a boa impressão foi geral.

Além dos vinhos já citados, também destaco o Primus Branco 2009 e 2010 (Álvaro Castro), Quinta da Pellada 2007 e 2008 (Álvaro Castro), Cabriz Encruzado Branco 2010 (Dão Sul), Picos do Couto Reserva Branco 2010 (FTP Vinhos), Quinta de Pinhanços Tinto Reserva 2007 (Lusovini), Pedra Cancela Malvasia e Encruzado 2010 (Lusovini), Altitude Tinto Edição Limitada 2007 (Lusovini), Quinta da Garrida Touriga Nacional 2005 (Quinta da Garrida), Quinta das Camélias Tinto Reserva 2008 (Quinta das Camélias), Quinta das Camélias Touriga Nacional 2008 (Quinta das Camélias) e Quinta do Cerrado Reserva Tinto 2006 (Quinta do Cerrado), entre outros.

Parabéns à CVRD pela iniciativa e aos produtores do Dão pelos belos vinhos.