terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Propriedades do Vale dos Vinhedos estão sendo todas mapeadas

A partir de hoje (10/01), o Vale dos Vinhedos, na Serra Gaúcha, será submetido a um trabalho de georreferenciamento, processo que torna as coordenadas de uma área conhecidas. A iniciativa deverá se estender até agosto, dependendo das condições climáticas e da colaboração dos produtores.

As propriedades vitícolas daquela área receberão a visita de técnicos que irão demarcar os parreirais com o auxílio de GPS. A iniciativa, coordenada pela Embrapa Uva e Vinho, em parceria com o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), tem como objetivo obter as medições e localizações corretas dos vinhedos que compõe o Cadastro Vitícola do Rio Grande do Sul.

Segundo a coordenadora da atividade, Loiva Maria Ribeiro de Mello, que é pesquisadora da Embrapa Uva e Vinho, além de mais preciso, o cadastro georreferenciado pode ser utilizado para diversos estudos envolvendo relevo, clima e solo, entre outros aspectos.

"Já estão georreferenciadas as propriedades dos municípios de Monte Belo do Sul (RS), em trabalho realizado nos anos de 2008 e 2009, e de Farroupilha (RS), em 2010 e 2011, os quais pleiteiam uma Indicação de Procedência (IP)", observou Loiva. Ela lembra que o Vale dos Vinhedos, primeiro detentor de uma IP no Brasil, busca um novo status em termos de Indicação Geográfica - no caso, a Denominação de Origem.

Loiva diz que a equipe está ciente de que esta é uma época complicada para os produtores receberem os técnicos, devido à safra da uva. No entanto, ela afirma ter certeza de que "os produtores vão entender a importância e urgência em desenvolver este trabalho". Para facilitá-lo, os técnicos do Ibravin Luiz Carlos Guzzo e Rudimar Zanesco, responsáveis pela medição nas propriedades, irão entrar em contato com os proprietários, para agendar o dia para realizar o mapeamento.

Durante a visita, o produtor deverá acompanhar o técnico que visitará a propriedade, percorrendo cada parreiral e, com um aparelho de GPS, levantará os pontos que permitem reproduzir a área e localização exata de cada cultivar. Os técnicos também irão coletar os dados que os produtores já estão acostumados a preencher no recadastramento anual, como variedades, porta-enxerto, idade dos vinhedos e produção.

A pesquisadora da Embrapa Uva e Vinho destaca ainda que, para agilizar o trabalho, é importante que os produtores preparem um desenho aproximado dos vinhedos, detalhando os limites de cada cultivar, e também revisem as informações do recadastro realizado em 2011 e já apontem, se necessário, as correções.

*Com informações da Embrapa Uva e Vinho.