terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Viña Mar surpreende com belos vinhos acessíveis

O Chile vem cada vez mais surpreendendo os paladares de todo o mundo com seus vinhos envolventes e de qualidade indiscutível. Uma das minhas mais recentes descobertas foi a Viña Mar. Já havia provado dois diferentes rótulos desta vinícola, pertencente ao Grupo San Pedro Tarapacá (VSPT), mas ainda não tinha atentado para o nível geral de seus produtos, uma vez que eles estão no mercado a preços acessíveis, sobretudo no que diz respeito à linha Reserva Especial.

A degustação foi realizada no restaurante Ferreiro Premium, no Recife, a convite da importadora Licínio Dias (LD), onde estiveram presentes dois representantes da Viña Mar: Javier Vila (responsável pelo mercado brasileiro) e Cristian Le Dantec (diretor comercial), que passaram alguns dados a respeito da jovem vinícola, fundada em 2002, com sede no Vale de Casablanca.

O nome Viña Mar é uma homenagem à principal virtude do local onde a empresa está instalada: a proximidade do Oceano Pacífico. Ela aproveita o terroir do vale de Casablanca para dar origem a belos vinhos feitos com as uvas Sauvignon Blanc e Pinot Noir, beneficiadas pelo clima fresco do local. Neste vale, a empresa possui 60 hectares plantados. Tem também outros 290 hectares em regiões do Chile como Vale do Maipo.

A produção anual da Viña Mar é de 40 mil caixas de vinhos ao ano. Destas, sete mil são exportadas para o Brasil, que é hoje o seu principal mercado. Também distribui seus rótulos em países da Ásia, como China e Japão, além de Inglaterra, Holanda e Bélgica.

À frente da produção está o enólogo Maurício Garrido, que segue à risca a proposta da Viña Mar: ser reconhecida pela complexidade e originalidade de seus produtos.

Na degustação, provamos cinco rótulos da linha Reserva Especial. Todos têm passagem por madeira, principalmente por carvalho francês, porém sem exagero de madeira nem de fruta. Pude perceber que são vinhos elegantes e com bom equilíbrio.

Destacam-se o excelente Pinot Noir 2008 (R$ 66,13) e o Chardonnay 2010 (R$ 33,04). Também me encantou o Merlot 2008 (R$ 28,33), embora o Cabernet Sauvignon 2007 (R$ 33,32) e o Cabernet Sauvignon/Carmenère 2008 ( R$ 37,98) também estejam muito bons.

Nos próximos posts, comento mais sobre os vinhos.