quinta-feira, 8 de março de 2012

Brasil é o único país estrangeiro presente na área VIP da feira alemã ProWein

Os convidados oficiais da ProWein, tradicional feira de vinhos que aconteceu até a última terça (06), em Düsseldorf, na Alemanha, puderam desfrutar dos vinhos brasileiros no espaço mais privilegiado do evento, o VIP Club.

O Brasil foi escolhido como país convidado para mostrar seus rótulos neste espaço, onde tradicionalmente só são servidos produtos alemães e por onde passam representantes governamentais e os maiores empresários da Europa.

As vinícolas Pizzato e Casa Valduga aderiram ao o convite e levaram os seguintes rótulos para serem servidos no VIP Club: o Pizzato Fausto Tannat e o Casa Valduga Chardonnay/Riesling. Os frequentadores do espaço também puderam degustar dois rótulos alemães, um Riesling e outro Pinot Noir.

“É uma honra para os vinhos brasileiros terem sido convidados para estar presentes neste local único da feira”, acrescenta. “Causou uma boa surpresa entre os frequentadores do VIP Club a presença dos vinhos brasileiros”, disse Ana Paula Kleinowski, representante do projeto Wines of Brasil.

No local, muitos tiveram a oportunidade de provar pela primeira vez um vinho brasileiro. O sucesso foi tão grande que um grupo de banqueiros alemães fez questão de visitar o estande do Wines of Brasil na segunda-feira (5) à tarde para provar outros produtos, como os espumantes.

OUTRAS AÇÕES – Pelo segundo ano consecutivo os vinhos brasileiros foram colocados para degustação entre jornalistas de todo o mundo, na Sala de Imprensa da ProWein. Os rótulos da Aurora, Casa Valduga, Miolo, Pizzato e Salton estiveram disponíveis para os mais de mil profissionais da área que cobriram a feira.

Outro destaque foi a degustação conduzida pela Meninger, revista de vinhos mais importante da Alemanha, em seu estande, sobre os vinhos dos BRICs (Brasil, Rússia, índia e China). No encontro com jornalistas e especialistas em vinho de todo o mundo, a Meninger afirmou que o Brasil, junto com a China, são os países de “grande potencial” no futuro. “Há uma viticultura nova e diferente vinda desses países, que todos devem estar atentos”, recomendou o condutor da degustação.