terça-feira, 2 de outubro de 2012

O blog conferiu: lançamento do Tara.Pakay 2008


Por: Luciana Torreão
Fotos: Juanpa Ausín

“Arvore escondida”. É o que significa, em idioma quéchua dos nativos do norte chileno, o nome do rótulo ícone da vinícola Tarapacá - o vinho tinto Tara.Pakay 2008, que acaba de ser lançado. A bebida foi apresentada na última sexta-feira (28), a convite do importador Licínio Dias, em degustação no restaurante Chiwake, com presença do enólogo-chefe da vinícola, Edward Flaherty.

No Chile desde 1993, o enólogo californiano – que atua na Tarapacá há seis anos, falou um pouco do seu trabalho, dos vinhos e da vinícola de forma bem descontraída e divertida. Seus rótulos se caracterizam pelo estilo elegante e delicado, que expressam bem sua origem e tipicidade.

Antes de chegar ao Tara.Pakay, os presentes puderam degustar outros rótulos da Tarapacá: o espumante Método Tradicional Brut 2009, o Tarapacá Gran Reserva Sauvignon Blanc 2011 e o Etiqueta Negra 2009. Após o mistério do Tara.Pakay ser revelado, o almoço foi fechado com chave de ouro com o Tarapacá Late Harvest 2010.

Na sequencia, esses vinhos foram harmonizados com uma entrada, três pratos principais e uma sobremesa preparados pelo talentoso chef Biba Fernandes. Foram eles: Tiradito Limeno (lâminas de peixe marinadas no limão sobre alho poró e batata doce com pasta de peixe e aji amarillo); Caballeros (filé de peixe ao forno com arroz de camarão); Filé Andino (filé grelhado sobre legumes ao creme de roquefort e Sauco – fruta exótica dos Andes); Paleta de Cordeiro (Paleta com risoto de quinua e aspargos frescos) [foto] e, por último, a sobremesa, que foi o Suspiro Limeno.

O TARA.PAKAY - De produção limitada a cerca de sete mil garrafas, a safra 2008 do Tara.Pakay, rótulo Premium da Tarapacá, foi elaborado com as mais finas uvas provenientes do "terroir" da Ilha de Maipo. Com origem privilegiada no Chile, as variedades Cabernet Sauvignon e Syrah foram cultivadas numa área de 600 hectares, sendo a propriedade total com 2.400 hectares.

“Construímos uma bodega dentro da nossa propriedade com o intuito de fazer os nossos vinhos especiais, que são elaborados em menor quantidade e maior qualidade. Produzimos um vinho personalizado para cada terroir”, comentou Flaherty [foto].

Vale destacar que, no mundo, apenas 100 empresas importam os vinhos da vinícola. De acordo com Licínio Dias, a Tarapacá é líder no Brasil na linha Premium e isso se deve ao forte trabalho de divulgação que vem sendo realizado com a marca há anos.

“O Nordeste não tinha o hábito de consumir espumante, e estas ações contínuas fizeram com que hoje, a nossa região consuma mais a bebida do que os paulistas, por exemplo. A marca, inclusive, é a que mais vendemos na LD Importação. O Brasil importa da Tarapacá 30% de sua produção, o que equivale a aproximadamente três milhões de garrafas. Só para se ter ideia, o Chile é responsável pelo consumo de apenas 25% da produção total, ficando em segundo lugar no ranking, seguido da Escandinávia, em terceiro lugar”, ressaltou Licínio Dias [à esquerda na foto junto com Ed Flaherty e Jorgeane Meriguette, gerente da LD Importação].

Confira no próximo post a avaliação do vinho por Fabiana Gonçalves.