terça-feira, 6 de novembro de 2012

Os vinhos da Rutini numa surpreendente harmonização


Em menos de um mês, tive o prazer de degustar alguns rótulos em companhia da simpática gerente de comércio exterior da vinícola argentina Rutini, Sol Asensio (foto). A primeira foi em visita às instalações da bodega em Tupungato, Mendoza, e a segunda ontem à noite em um jantar harmonizado promovido no Recife pelo Nez Bistrô, restaurante que traz à cidade os vinhos importados pela Zahil.

Como ainda estou devendo o meu relato sobre a visita à vinícola, vou me deter neste post a falar sobre a surpreendente experiência promovida pelo Nez com os vinhos da Rutini.

A ideia do jantar foi reforçar o conceito de qualidade da vinícola, que tem o Brasil como o seu 3º mais importante mercado, combinando seus vinhos com a inovadora culinária do chef Bruno Didier, novato na casa. Este tem em seu currículo o primeiro lugar no evento gastronômico Madrid Fusion, em 2011. E a mistura não podia ser melhor.

Confira os comentários sobre os vinhos servidos e sobre as respectivas harmonizações:

Trumpeter Chardonnay – 2001

Produtor: Rutini Wines.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Amarelo palha com reflexos dourados.
Olfato: Mel, abacaxi, mineral e notas tostadas.
Paladar: Amanteigado e untuoso. Revela frutas brancas, um leve toque cítrico que lhe dá uma boa sensação de acidez. Traz de volta a mineralidade sentida no olfato.
Outras considerações: Produzido com a uva Chardonnay, o vinho teve breve passagem por madeira. Tem 13,5% de teor alcoólico.

Classificação: Muito Bom.

Vieiras em escabeche morno de ervas aromáticas, verduras encurtidas e “caviar” de hibiscus: Um delicado prato servido em conchas que encanta logo ao chegar à mesa. As vieiras, marinadas, apresentam uma textura macia, o que casou bem com untuosidade do vinho. O limão, presente no prato, também faz par com a boa acidez da bebida. O grande detalhe fica por conta do “caviar”, feito à base de sagu embebido em chá de hibiscus. Tudo muito saboroso. Boa harmonização.

Rutini Cabernet Sauvignon / Malbec – 2009

Produtor: Rutini Wines.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Rubi escuro.
Olfato: Gama aromática muito variada, onde aparece mentol, fruta madura, café, baunilha, caramelo e chocolate.
Paladar: Extremamente equilibrado, com taninos sedosos e doces. Repete as sensações do olfato.
Outras considerações: Elaborado com as variedades Cabernet Sauvignon (50%) e Malbec (50%), o vinho estagiou nove meses em carvalho francês. Sua graduação alcoólica é de 13%.

Classificação: Excelente.

Mini mozzarellas de granna padano com geléia de tomate e manjericão: Se o primeiro prato tinha sido delicado, este então nem se fala. Sua apresentação é forma de bolinhas com uma espécie de casca “esculpida” em manteiga de cacau. Ao colocar a bolinha na boca, ela se desfaz facilmente revelando um sutil e cremoso recheio de queijo. Pela suavidade e elegância do vinho, o casamento deu certo.

Rutini Cabernet Sauvignon - 2009

Produtor: Rutini Wines.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Rubi violáceo.
Olfato: Eucalipto, fruta madura, baunilha, pimentão.
Paladar: Aveludado e longo. Ressalta as frutas e o pimentão.
Outras considerações: Elaborado apenas com a uva Cabernet Sauvignon, o vinho amadureceu 12 meses em carvalho francês novo. Tem 13% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.

Carré de coelho glaceado, guisado de suas patas ao Rutini Cabernet Sauvignon e purê levemente doce de cenoura e alecrim: Servido em um ponto perfeito, conservando a maciez da carne. O molho ao próprio vinho valorizou a harmonização.

Antologia XXVII – 2009

Produtor: Rutini Wines.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Rubi intenso;
Olfato: Fechado, precisa de tempo na taça para mostrar o seu potencial. Destacam-se frutas maduras e especiarias.
Paladar: Assim como o nariz, também ainda “amarrado”. Mas percebe-se a sua qualidade e potencial de crescimento. Frutas e azeitonas aparecem no sabor. O final é longo.
Outras considerações: Uma combinação de uvas Malbec (90%), Cabernet Franc (5%) e Petit Verdot (5%) provenientes de vinhedos com cerca de 15 anos. Deste corte, especialmente preparado pelo enólogo Mariano di Paola, foram produzidas apenas 20 mil garrafas. Amadureceu 24 meses em barricas novas de carvalho francês.

Classificação: Muito Bom (Tem muito potencial de guarda. Sem dúvida, vai melhorar com o tempo)

Prime rib assado na brasa sobre uma emulsão acidulada de agrião: Foi a harmonização escolhida para o vinho, que definitivamente vai bem com carnes vermelhas. Nesse caso, cortes até mais robustos combinariam com a bebida.

Serviço:
Nez Bistrô
Rua Amazonas, 40, Boa Viagem, Recife-PE
(81) 3032-0848