terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dois grandes espumantes de Adolfo Lona

Fotos: Jane Prado

Uma das degustações realizadas mês passado no Hotel e SPA do Vinho, na Serra Gaúcha, foi a dos espumantes Adolfo Lona. Para quem não conhece, Lona é um enólogo argentino que está no Brasil desde 1972. Chegou aqui para trabalhar na Martini e se envolveu na produção do mais premiado vinho do país: o Baron de Lantier, hoje não mais elaborado.

Em 2004, Adolfo iniciou o seu projeto pessoal de elaboração de espumantes, em Garibaldi, RS. De maneira artesanal e com produção limitada, ele produz anualmente cerca de cinco mil garrafas feitas pelo método tradicional. As do método Charmat são produzidas em instalações de parceiros, com sua total supervisão e controle.

Adolfo Lona não pôde estar presente pessoalmente à degustação devido a um compromisso de última hora, mas o sommelier Vinícius Santiago fez as honras e abriu estes dois belos exemplares:

Adolfo Lona Nature Pas Dosé

Tipo: Espumante.
Produtor: Adolfo Lona,
Origem: Garibaldi (RS), Brasil.
Visual: Amarelo dourado. Finas e abundantes borbulhas.
Olfato: Amêndoas e frutas secas.
Paladar: Sabores que mesclam abacaxi em calda, notas tostadas e de pão. Cremoso, com ótima acidez e final prolongado.
Outras considerações: Elaborado pelo método Champenoise (com segunda fermentação na garrafa), tem em sua composição as uvas Chardonnay, Pinot Noir e Merlot. Por ser classificado como “Nature”, não leva licor de expedição. Ou seja, não tem açúcares em sua composição. Passou 14 meses em contato com as leveduras. Sua graduação alcoólica é de 12%. Apenas 5200 garrafas foram produzidas.

Classificação: Excelente.
Média de preço: R$ 60 a 70.

Adolfo Lona Orus Pas Dosé Rosé 2011

Tipo: Espumante.
Produtor: Adolfo Lona,
Origem: Garibaldi (RS), Brasil.
Visual: Coloração que lembra casca cebola. Perlage fino e intenso.
Olfato: Delicado, onde conseguimos encontrar um leve floral e notas de frutas vermelhas silvestres.
Paladar: As características do nariz voltam, dando um sabor agradável e elegante à bebida, que também ganha um toque típico da fermentação. Persistente, tem boa acidez e cremosidade.
Outras considerações: Apenas 600 garrafas deste exemplar foram produzidas. Chardonnay, Merlot e Pinot Noir são as castas que integram o corte. Assim como o espumante anterior, este também não possui açúcares e foi elaborado pelo método Champenoise.  O contato com as leveduras foi de 12 meses.

Bate muito Champagne por aí!

Classificação: Excelente/Excepcional.
Média de preço: R$ 110