segunda-feira, 24 de março de 2014

Vale dos Vinhedos terá primeiro condomínio vitivinícola do Brasil

O complexo enoturístico Spa do Vinho, localizado na Serra Gaúcha, baseou-se em experiências já implantadas em tradicionais regiões vinícolas como Napa Valley e Mendoza e vai começar a disponibilizar parcelas de suas terras com Denominação de Origem (DO) Vale dos Vinhedos para quem desejar cultivar e produzir seu próprio vinho. A expansão do negócio prevê levar R$ 25 milhões em investimentos e uma nova atividade econômica ao Vale dos Vinhedos.


“Esta será uma oportunidade real de acompanhar o cultivo, colher, vinificar, rotular e levar para casa seu próprio vinho premium, com denominação de origem”, explica sócia-diretora Deborah Villas-Bôas Dadalt, idealizadora do projeto. Uma reunião de investidores, realizada esta semana no próprio hotel, instituiu oficialmente o condomínio.

“Esta ampliação do negócio específico do Spa do Vinho, de hotel para condomínio vitivinícola, já era uma meta desde quando assumimos o complexo. No entanto, sabíamos que exigiria um longo período de maturação. Estamos na décima safra do nosso vinhedo, produzindo um vinho de comprovada qualidade. O hotel consolidou-se com um dos vinte melhores do país em seu segmento. O SPA Caudalie segue ganhando prêmios e temos uma bandeira internacional dentre os mais exclusivos luxury-hotels da Marriott. É o momento certo para a ampliação”, revelou o sócio-diretor Aldemir Dadalt (na foto abaixo, com a esposa Deborah Villas-Bôas Dadalt).


Cada proprietário terá pelo menos quatro semanas de cortesia no hotel para garantir sua presença em cada uma das etapas da vitivinicultura, nas diferentes estações do ano. Mas este período pode ser ampliado sempre que desejar, pois todas as áreas do complexo oferecem tarifas diferenciadas para os membros da Confraria SPA do Vinho, além de uma programação mensal de degustações, palestras técnicas e visitas a vinícolas.

MIOLO - Sócia fundadora do Spa do Vinho, a vinícola Miolo, localizada em frente ao complexo, será a principal parceira do empreendimento para o processo de cultivo e vinificação. Através do condomínio, os proprietários podem vinificar seu lote do parreiral em parceria com a vinícola de sua opção pessoal, recebendo anualmente a quantidade correspondente à fração ideal de sua unidade – com mínimo de 10 caixas por safra vinificada – e podendo escolher por cortes e rotulagem própria. Os membros da Confraria Spa do Vinho ainda poderão comercializar seus vinhos.


Além do valor do apartamento, o único gasto dos novos vitivinicultores é a taxa mensal de condomínio destinada à conservação e manutenção da unidade e do vinhedo (incluindo toda a vinificação, barricas de carvalho francês, garrafas, rolhas e trabalhos da vinícola parceira), que inclusive pode não ser cobrada. Isto porque durante as semanas em que o proprietário não o utiliza, o apartamento permanece à disposição do pool do hotel, destinado a hóspedes e participantes de eventos. Diferenças entre o resultado positivo e a taxa de condomínio são rateadas e distribuídas mensalmente em forma de rendimentos para os proprietários. 


“Cultivar um magnífico terroir, produzir um vinho de excelência e ainda ter a possibilidade de receber rendimentos mensais é uma equação atraente até para quem não é um enófilo inveterado”, comenta o CEO do grupo Miolo, Adriano Miolo, que há anos coordena um projeto pioneiro para vitivinicultores iniciantes chamado “Winemakers”, reunindo enófilos de vários estados brasileiros.

www.spadovinho.com.br