segunda-feira, 7 de julho de 2014

Jornal espanhol classifica Brasil como “produtor anão” em matéria sobre o vinho oficial da Copa


“O Mundial acontece no Brasil e os olhos do mundo estão voltados para o país americano. Então chegou a hora dos produtores de vinhos brasileiros provarem alguma coisa”. É com esta afirmação que o jornal espanhol “El Mundo” abre uma matéria publicada hoje (07) sobre o vinho oficial da Copa do Mundo no Brasil: o Faces, da vinícola gaúcha Lídio Carraro.

“A equipe de futebol brasileira possui cinco títulos mundiais: é o recorde. Mas o vinho brasileiro não goza de grande reputação”, continua o texto, que tacha o Brasil de produtor anão.

“A menos que seja um espumante, a maioria dos amantes locais de vinho prefere uma garrafa produzida no Chile, Estados Unidos ou Austrália, a uma garrafa brasileira. Com alguma ajuda por parte da FIFA, organismo com sede na Suíça que governa o futebol mundial, uma vinícola brasileira, Lidio Carraro, está tentando melhorar essa situação”.

E traz um depoimento da produtora Patrícia Carraro, explicando que este é um bom momento de mostrar até que ponto o vinho brasileiro vem melhorando. "O Brasil continua a sofrer com a imagem de um legado de vinho ruim, mas nos últimos 15 anos, temos construído uma nova realidade, disse ela na entrevista.
Para colocar os vinhos à prova, a agência de notícias Reuters organizou uma degustação no Hotel Fasano, no Rio de Janeiro, com a participação de Eduardo Luiz, sommelier do Fasano, e dos enófilos, Ivan Mendes (ator) e Marcelle Herdy Francisco (empresaria de internet).

A qualidade do branco e do rosé surpreendeu os três. “Gostaria de oferecer o branco a amigos sommeliers em uma prova às cegas”, afirmou Luiz. “Não gostei tanto dos outros. O tinto é muito complicado, com aromas que não se combinam bem”, comentou ele.

Mendes e Herdy Francisco disseram que serviriam o branco a seus amigos, mas que em sua opinião, embora o vinho não seja caro, provavelmente pode se encontrar algum outro igualmente bom ou melhor por menos dinheiro.

“Em geral gostei destes vinhos. Agora buscarei mais vinhos brasileiros”, disse Herdy Francisco. “Ainda não somos campeões mundiais, mas estamos melhorando muito”.