segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Casal une talentos para a criação de grandes vinhos em Portugal


No ano passado, tive a oportunidade de conversar com o enólogo Jorge Serôdio Borges - considerado uma referência na produção de vinhos na região portuguesa do Douro - e degustar alguns de seus vinhos. Na última semana, voltei a encontra-lo, só que desta vez com uma companhia especial: a sua esposa Sandra Tavares, que também é outra talentosa enóloga desta nova geração de vinicultores lusos. Eles estiveram no Recife, num almoço promovido pela importadora Adega Alentejana, no restaurante Rui Paula, onde apresentaram alguns rótulos produzidos em comum e outros que integram seus projetos pessoais.

Eleito enólogo do ano pela revista Wine de Portugal em 2008 e 2011, Jorge Serôdio presta consultoria para vários produtores da região do Douro, onde está à frente da Quinta do Passadouro. Também possui o projeto M.O.B., no Dão, junto com os renomados enólogos Jorge Moreira e Francisco Olazabal.

Sandra Tavares é enóloga da Quinta da Chocapalha, que pertence a seus pais, localizada na região demarcada de Lisboa. Ela também atua na Quinta Vale Dona Maria (Douro) com o enólogo Cristiano Van Zeller e ainda possui um belo vinho elaborado junto com a enóloga e amiga Susana Esteban, o Crochet.

WINE & SOUL - Em 2001, Jorge e Sandra decidiram fazer juntos o seu primeiro vinho. Compraram um velho armazém de vinho do Porto e adquiriram uvas de um produtor da região que possuía vinhas com mais de 70 anos. Em 2003, conseguiram comprar estas mesmas terras - uma área de 2,5 hectares e mais de 30 diferentes variedades plantadas. Em 2008, eles receberam como herança a Quinta da Manoella, propriedade que pertence à família de Jorge há mais de 200 anos, o que aumentou a área de plantio do projeto para 20 hectares.

O primeiro vinho produzido foi o notável Pintas, que recebeu este nome em homenagem ao cachorro de estimação do casal. Depois veio o branco Guru, o Pintas Character, o Manoella e o Quinta da Manoella Vinhas Velhas. Jorge e Sandra ainda produzem uma pequena quantidade de vinho do Porto e do excelente azeite extra Virgem Pintas.

Nos próximos posts, falo sobre alguns desses vinhos, provados numa sequência impecável, durante o encontro com o simpático casal.

1 comentário

Flavio Henrique disse...

Oi Fabiana,
Este casal é talento puro! Seus vinhos são sensacionais. O Pintas, dispensa comentários, e o Guru, é para mim um dos melhores brancos portugueses.
Abraços,
Flávio