quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Quinta Maria Izabel: novo projeto no Douro com a assinatura de Dirk Niepoort


Foram lançados ontem, no Recife, os vinhos da Quinta Maria Izabel – a mais nova vinícola estabelecida na região do Douro, em Portugal. A empreitada é do grupo João Carlos Paes Mendonça, que além dos ramos de shoppings, imobiliário e comunicação, agora resolveu investir no mundo vitivinícola. Inicialmente, são quatro diferentes propostas de vinhos (branco, rosé, tinto e Porto Vintage), todos com a assinatura do renomado enólogo e consultor Dirk Niepoort, com foco em qualidade superior. A importação é da Ridouro.

A Quinta Maria Izabel já nasceu grande. Conta com 130 hectares de terras, dos quais 70 estão plantados com vinhas de 18 castas. Outros 14,5 hectares são para a produção de azeite. A primeira produção foi de um pouco mais de 50 mil garrafas.

“A Quinta Maria Izabel é um hobby, mas também vou em busca de resultados”, diz o empresário João Carlos Paes Mendonça, evidenciando a sua veia de empreendedor. Segundo ele, inicialmente, os vinhos começarão a ser comercializados no Recife, depois no Nordeste, para então ganhar as prateleiras do Brasil e do exterior.


A comercialização será feita nas grandes casas do ramo e em restaurantes, além contar com uma linha direta com o consumidor pela internet e por telefone, que deverá em breve entrar em funcionamento.

Para Dirk Niepoort, a Quinta Maria Izabel é privilegiada para a produção de tintos, dando origem a vinhos “equilibrados, intensos, concentrados, com boa acidez e elegância”, explica. Porém ele também aposta bastante na qualidade do branco. “Vai dar muito o que falar nos próximos anos”, avalia Dirk.

Confira as minhas impressões sobre os vinhos provados, durante almoço no restaurante Rui Paula:

Quinta Maria Izabel Rosé 2014


Segundo Dirk Niepoort, este é um rosé de caráter mais sério. Para mim, ele é um vinho gastronômico, que combina bem com pratos de carnes brancas, bacalhau e peixes mais gordos, como o salmão. Na taça, mostra uma bonita coloração cereja brilhante. Exibe um discreto frutado tanto no aroma quanto no paladar, ressaltando notas de framboesa, cereja e goiaba. Na boca é um vinho cheio, com corpo, e de média acidez. Tem 13% de álcool.

Classificação: Bom.

Quinta Maria Izabel Branco 2014


Leve, agradável e saboroso. É um branco de cor amarelo palha com reflexos esverdeados que apresenta no nariz um caráter cítrico, envolvendo também notas de aspargos, leve mineral e uma ponta de baunilha, ocasionada pelo seu estágio parcial em barricas. O sabor traz de volta as sensações do nariz, junto com uma boa acidez e final prolongado. Pode ser tomado como aperitivo ou acompanhando pescados, frutos do mar, saladas e petiscos leves. O teor alcoólico é de 13%.

Classificação: Muito Bom/Excelente.

Quinta Maria Izabel Tinto 2012


Provamos a garrafa versão Magnum (1,5l) do principal vinho da Quinta Maria Izabel. Este é produzido com uvas Touriga Nacional e Touriga Francesa provenientes de vinhas com idades entre 20 e 30 anos. Sua coloração violácea profunda denota jovialidade. O aroma envolve notas de ameixa madura, mentol, café e flores secas. Na boca mostra corpo médio, fruta elegante, boa acidez e taninos bem presentes, de qualidade. Além das características do olfato, o sabor ainda traz um toque de café. Final prolongado. É um tinto com ótimo potencial de evolução. Tem 13,5% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente (com potencial de evolução).

Quinta Maria Izabel Porto Vintage 2012


De cor violeta profunda, é um Porto bastante aromático, que oferece notas florais, de frutas secas, noz moscada e cravo. O paladar é cremoso, com boa doçura e leve acidez. O sabor repete as impressões do nariz, trazendo ainda um toque tostado e de café. Final prolongado. Tem 20% de álcool e deve também melhorar com a guarda.

Classificação: Bom/Muito Bom.

*Os preços dos vinhos da Quinta Maria Izabel ainda não foram informados.