terça-feira, 18 de março de 2014

Bodega experimental traz inovação à produção do Uruguai

No final do ano passado, tive a oportunidade de almoçar com o produtor uruguaio Gabriel Pisano (foto abaixo), da Viña Progreso. Na ocasião, ele abriu um vinho branco elaborado com a uva Viognier e aguçou a minha curiosidade sobre o restante da sua produção. Semana passada, provei mais dois vinhos feitos pelo jovem enólogo, enviados gentilmente por ele. Então acho que está na hora de contar aqui a nossa conversa e o sobre o que descobri sobre os seus produtos.


Gabriel faz parte do time de enólogos da tradicional bodega uruguaia Pisano, fundada pelo seu avô no início do século 20. A enologia, ofício também seguido por seu pai e tios, era um caminho natural. Mas ele quis fazer diferente. Depois de se formar no ramo trabalhou no Chile, Califórnia (EUA), África do Sul e Espanha e decidiu desenvolver um projeto pessoal onde pudesse elaborar vinhos no estilo “menos convencional”, de forma experimental.

A Viña Progreso surgiu oficialmente em 2008. Localizada em Progreso, no departamento de Canelones, não possui vinhedos próprios. As uvas são de terceiros, com a total supervisão de Gabriel. E por falar em uvas, o jovem Pisano vem “dando um nó”, na vinicultura uruguaia, passando a utilizar castas não usadas por aquelas bandas, como Viognier (branca) e Sangiovese (tinta), com a mínima intervenção nos vinhedos e na produção. “Procuro fazer vinhos mais jovens, mais frescos, usando leveduras nativas e com pouca filtração”, explica ele, que parece ter transmitido o seu estilo descontraído e vibrante às suas criações.

A produção é pequena. São 30 mil garrafas por ano e duas linhas: Underground e Overground. O vinho “top” é um Tannat chamado Sueños de Elisa (Elisa’s Dreams). Com apenas 1.086 garrafas produzidas, a bebida foi fermentada em barricas de carvalho abertas. O nome é uma homenagem à sua tia, Elisa, que é quem ilustra os rótulos da Viña Progreso.

Perguntei se Gabriel tinha pretensão de expandir a produção, mas por enquanto ele não parece muito preocupado com essa possibilidade. “Estou mais para vinhos de garagem do que para uma vinícola boutique”, comparou. Além do Brasil, as exportações da Viña progresso alcançam a Alemanha, Suécia e China. Possivelmente os vinhos também deverão chegar ao mercado norte-americano, revela Gabriel, que curte cada criação sua: “gosto dos meus vinhos. Eles são feitos para agradar todo mundo”.

Vamos aos vinhos provados:

Viña Progreso Reserva Viognier 2013


Elaborado exclusivamente com uvas Viognier, este branco possui cor amarelo palha com reflexos dourados. Exala notas minerais, de pêssego, aspargos e um leve aroma cítrico. Possui bom volume de boca e acidez moderada, relembrando as sensações do nariz. O vinho não fermentou em barris de carvalho como o nome “reserva” sugere, mas sim maturou em tanques de aço inox por cinco meses. Tem 13% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Faixa de preço: R$ 74*

Viña Progreso Reserva Sangiovese 2008



De cor rubi escura, o vinho mostra bastante sedimento, resultado de sua não filtração. Elaborado 100% com uvas Tannat, teve fermentação malolática parcial (50%) em barris de carvalho. A maturação foi de aproximadamente 12 meses em barricas francesas. O aroma mostra alguma fruta vermelha madura, mentol e notas terrosas. Paladar leve, equilibrado.  Melhora com a aeração. Sua graduação alcoólica é de 13,5%.

Classificação: Bom.
Faixa de preço: R$ 67*

Viña Progreso Reserva Tannat 2008



Este 100% Tannat possui cor rubi escura e aromas de frutas vermelhas maduras, menta e fumo. Paladar equilibrado, de médio a encorpado. Aparecem novamente o tabaco e as notas frutadas, arrematados por um toque de especiarias. Amadureceu cerca de 12 meses em carvalho francês.Possui 14% de álcool. Também apresenta sedimentos resultantes de sua não filtração.

Classificação: Muito Bom/Excelente.
Faixa de preço: R$ 67*

Agradecimento especial ao enólogo Guillermo Giani, por ter me apresentado a Gabriel Pisano. Agradeço também ao sommelier Helton Silva pelo excelente serviço dos tintos durante almoço no restaurante Rui Paula, onde provamos os vinhos.

*Os vinhos da Viña Progreso são importados pela Vinci. No Recife, à venda na DOC Distribuidora (81) 3252-8900.