quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Petrus e Cheval Blanc: dois mitos na taça numa mesma noite

No último me de setembro, três casais apreciadores de vinhos resolveram tirar da adega o que tinham de melhor para uma degustação, digamos assim, Premium. Eu havia adquirido já algum tempo um Château Cheval Blanc 2001 e esta era a ocasião para prová-lo. Amanda tinha um Château Petrus 2007. E ainda de quebra, levou um Tokaji Aszú Eszencia Andrássy. Ângela nos presenteou com Viña Ardanza 2001, safra considerada excepcional deste tinto espanhol riojano que já não está mais no mercado. E ainda vieram um Guado al Tasso 2008, produzido por Antinori na região de Bolgheri, Itália, e um delicioso Chardonnay chileno Amayna 2010, que serviu para “abrir os caminhos”.


Mas a expectativa estava para os dois ícones da noite. O Cheval Blanc, considerado um dos melhores vinhos do mundo, está na classificação mais alta da região de Saint Emilion, em Bordeaux: Premier Grand Cru Classé "A". Posição ocupada apenas por ele e pelo Chatêau Ausone. Já o Petrus é um dos vinhos mais renomados e desejados pelos enófilos de todo o planeta. Produzido na região de Pomerol, em Bordeaux, não tem classificação oficial de “Grand Cru”, mas ganhou respeito pela sua excepcional qualidade e hoje é um dos vinhos mais caros encontrados no mercado.

Apesar de considerados jovens (esses vinhos têm capacidade de envelhecer por décadas), ambos se apresentaram extraordinários na taça, estando o Cheval Blanc ainda mais pronto para beber. Confira as minhas impressões sobre os dois mitos:

Château Cheval Blanc 2001


Elaborado na região de Saint Emilion, Bordeaux, França. Nesta safra, tem em sua composição as uvas Merlot (55%) e Cabernet Franc (45%). A aparência revelou uma cor rubi escura, com bordas violeta, ainda denotando alguma jovialidade. O aroma muito diversificado. Encontrei notas de frutas vermelhas frescas e frutas negras, pimenta do reino, cravo, tostado, café, grão de mostarda e alguns aromas terciários, como couro. É um vinho de corpo leve, extremamente equilibrado e de final prolongado. O sabor reflete as sensações do nariz. Tem 12,5% de álcool.

Classificação: Excepcional (ainda evolui com a guarda).
Média de preço no mercado brasileiro: R$ 2.500 a 3 mil.

Château Petrus 2007


Elaborado com uvas Merlot e Cabernet Franc, na região de Pomerol, em Bordeaux, França. Mostrou uma coloração rubi violácea e aromas interessantes de frutas vermelhas frescas, floral e especiarias diversas. Paladar apimentado, seco, com ótimo frescor e persistência. Traz novamente o frutado e mostra ainda algumas notas de café. A graduação alcoólica é de 13,5%.

Classificação: Excelente/Excepcional (em alguns anos vai tornar-se excepcional).
Média de preço no mercado brasileiro: R$ 12 a 15 mil.

Agradeço a todos que participaram pela bela oportunidade e pela troca de experiências. Foi realmente uma noite para não sair da memória!