quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Terrazas de Los Andes: vinhos argentinos com sangue francês

O diretor de enologia da vinícola argentina Terrazas de Los Andes, Hervé Birnie-Scott (foto), esteve esta semana no Recife, onde realizou uma série de apresentações sobre os seus vinhos para públicos do ramo de bebidas, gastronomia e hotelaria. Estive ontem com ele em um jantar no Toscana Trattoria, no Pina, onde pude provar seis diferentes rótulos da marca. Antes de falar um pouco sobre os vinhos, vou reproduzir um pouco da história da Terrazas, contada pelo seu próprio chefe de cave.


Hervé Birnie-Scott nasceu na França, num pequeno povoado do Vale do Loire, onde cresceu e resolveu estudar agronomia. Passou uma temporada nos Estados Unidos e foi na Vinexpo, feira anual de vinhos realizada em Bordeaux, França, que recebeu a missão da Chandon para ir à Argentina ajudar a criar o melhor vinho daquele país. Isso aconteceu há 25 anos e a Argentina, segundo Birnie-Scott, vinha passando por dificuldades. Chegando em Mendoza, a beleza do lugar lhe impressionou. “Além disso, a matéria-prima (uva) era muito boa”, observou ele. Naquela época não se exportava na Argentina. O vinho era basicamente para consumo local.

A Terrazas de Los Andes nasceu em 1999. No início, eles faziam vinhos sérios, com cara de Velho Mundo. Só depois começaram a aproveitar mais o potencial da uva Malbec, que para Hervé é uma ‘arma secreta’ argentina. “Fazemos o melhor Malbec do mundo e um dos melhores vinhos do mundo com esta uva”, garantiu.

Ainda no início do negócio, a vinícola teve a honra de ser escolhida pelo Château Cheval Blanc (Premier Grand Cru Classè A de Saint-Emilion, Bordeaux) para realizar o projeto de elaborar em conjunto um vinho exclusivo, que se tornaria um ícone argentino: o Cheval dos Andes. Ele foi um dos rótulos degustados neste encontro.

Confira as minhas impressões sobre os vinhos provados:

Terrazas Reserva Torrontés 2014


Elaborado com uvas cultivadas na região de Salta, a 1.800 metros de altitude, este branco tem em sua composição apenas a variedade Torrontés. Sua coloração é um amarelo pálido com tons esverdeados e o aroma remete a lima, frutas brancas e um leve toque mineral. É um vinho de sabor muito fresco, com ótima acidez, e final de médio a prolongado. Tem 13,5% de álcool.

Classificação: Bom/Muito Bom.

Terrazas Reserva Malbec 2012


Com 12 meses de maturação em carvalho francês (80%) e americano (20%), este é um Malbec de aroma e paladar muito delicados. A sua cor é rubi brilhante de média profundidade. No nariz traz notas de frutas maduras, como cereja, além de toques de violeta, eucalipto e café, que formam um agradável conjunto. Paladar amplo, de taninos macios e final apimentado. As mesmas sensações do nariz aparecem junto com um leve sabor de baunilha. Sua graduação alcoólica é de 14,5%.

Classificação: Excelente.

Terrazas Reserva Cabernet Sauvignon 2012


Com mais corpo e mais taninos que o Reserva Malbec, este Cabernet Sauvignon é elaborado com uvas de dois diferentes terroirs: um em Luján de Cuyo e outro no Vale do Uco. A sua cor mostra um rubi de média profundidade com traços violáceos. O aroma revela leve floral, alcaçuz, frutas negras maduras, especiarias e caramelo. O sabor traz de volta as características do nariz e ainda um toque de café. Excelente parceiro para carnes vermelhas. Sua maturação foi de 12 meses em carvalho francês. Tem 14% de álcool.

Classificação: Muito Bom (melhora com a guarda).

Terrazas Single Vineyard Malbec 2010


Este extraordinário Malbec tem uvas cultivadas exclusivamente no vinhedo de Las Compuertas (Luján de Cuyo), plantado em 1929. Sua maturação foi de 18 meses em barricas novas de carvalho francês. Sua cor é de um violeta profundo e o aroma exala um leque de sensações, que passam por notas florais, flores secas, especiarias, frutas vermelhas maduras e café. Paladar encorpado, taninos macios e equilibrados com a boa acidez. Além das mesmas características do olfato, o sabor ainda traz um agradável toque de chocolate. Final prolongado. O vinho não é filtrado em tem 15% de álcool. Tem bom potencial de evolução.

Classificação: Excelente (melhora com a guarda)

Cheval des Andes 2010


Este vinho mostra que é um dos ícones argentinos com a sua elegância, complexidade e capacidade de guarda. Sua cor revelou-se um violáceo profundo. O aroma oferece um interessante bouquet, onde pude identificar notas de alcaçuz, café, grão de mostarda, jambo, ameixa e toques florais. Com paladar de médio a encorpado, exibe taninos aveludados e retrogosto persistente. Além das mesmas sensações do nariz, seu sabor ainda traz notas terrosas e de chocolate. Nesta safra, ele foi elaborado com 60% de Malbec, 20% de Cabernet Sauvignon e 20% de Petit Verdot. Sua maturação foi de 18 meses em carvalho francês. Tem 14,5% de álcool.

Classificação: Excelente (potencial de bastante evolução com a guarda).

Terrazas Petit Manseng Single Vineyard El Yaima 2012


Um vinho de sobremesa muito gastronômico elaborado com a variedade Petit Manseng. As uvas vêm do vinhedo El Yama, em Altamira, que tem mil metros de altitude. Sua coloração é amarelo dourado e o aroma é marcado por notas de jaca, lichia e damasco. Paladar untuoso e bastante prologado. Doçura marcante, pontuada pela boa acidez. Vai bem com queijos azuis e sobremesas à base de frutas. Tem 13,3% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.